Para “lavar a honra”, Adilson Carlota matou a ex-mulher, Jucelene Aparecida Correia Quadros, 26 anos, na madrugada de domingo (03), no interior de um bar na esquina das ruas Saldanha Marinho e José Bonifácio, no Centro. Depois do disparo, ele acabou agredido pelos frequentadores do bar e preso em flagrante.

Os dois estavam separados há mais de um ano e, no reencontro, no bar do centro, Adilson disse não ter suportado as provocações da mulher. Segundo o depoimento que ele deu no 1º Distrito Policial, para onde foi levado preso, ela ficou tirando sarro pelas traições que fez a ele e por dançar com outros homens, enquanto ria da situação toda. Enciumado, ele não conteve a raiva.

Ainda dentro do bar, o ex-marido partiu para agressão e em seguida atirou no peito de Jucelene, que chegou a ser socorrida pelos bombeiros e levada para o Hospital Cajuru, mas não resistiu e morreu horas depois.

Um segurança conseguiu segurar o atirador e tomar a arma do enciumado. Revoltados, os frequentadores do bar e testemunhas do homicídio tentaram linchar Adilson. A Polícia Militar chegou a tempo e evitar que a tragédia fosse ainda maior. Ele precisou ser encaminhado ao Hospital Evangélico e ficou em observação até o meio-dia de ontem. Depois de receber alta, o homem foi encaminhado ao 1.º Distrito Policial, onde permanecerá preso. No depoimento, ele contou que comprou a arma para se defender dos amantes da ex-mulher que estariam atrás dele.