A farsa arquitetada por Fábio Júnior de Miranda, 18 anos, que matou o cunhado e se fingiu de vítima, foi descoberta por policiais da delegacia do Alto Maracanã, em Colombo. Josué de Fátima do Carmo, 15, foi morto a facadas, dentro de casa, no Jardim das Graças, no sábado. Para despistar a polícia, o autor do crime escondeu as roupas sujas de sangue, ficou só de cueca, e amarrou os próprios pés, simulando ter sido agredido.

De acordo com a primeira versão de Fábio, dois homens encapuzados teriam invadido a residência e o amarraram. Em seguida, golpearam o adolescente e fugiram de bicicleta. Quando socorristas do Siate chegaram ao local, o farsante simulou até um desmaio e foi encaminhado ao hospital. A mentira, porém, não durou. Fábio foi desmascarado e preso na segunda-feira, escondido na casa de uma tia, em Almirante Tamandaré.

Pistas

A reviravolta aconteceu depois que a polícia descobriu as roupas escondidas pelo autor. “A versão dele não tinha sentido. Porque só um dos jovens foi morto? Além disso, ele estava só de cueca e apenas com os pés amarrados com um cabo”, comentou o delegado Guilherme Fagundes.

Depois de apurada a autoria, a verdadeira história veio à tona. Josué jogava videogame, na casa dos fundos, quando foi chamado para pegar as chaves de sua casa. Dissimulado, Fábio esperou a mulher e a sogra saírem da residência, e atacou o cunhado. Antes de se fingir de vítima, o assassino lavou e guardou a faca. “Havia resquícios de sangue perto da faca, que foi apreendida”, contou o delegado. Segundo ele, o adolescente era tranquilo. “Era um jovem bom, frequentava a igreja”, lamentou. O garoto foi morto porque descobriu pequenos furtos praticados pelo cunhado e o denunciou à família e aos vizinhos.

Fábio confessou o crime, disse que não é usuário de drogas e mostrou arrependimento. Ele alegou ainda que teria ficado nervoso no trabalho e acabou descontando a raiva no adolescente.