110 automóveis e motos em condições de circulação estão no primeiro leilão de veículos apreendidos promovido pela Superintendência de Trânsito (Setran). Segundo a prefeitura de Curitiba, todos são veículos recolhidos em operações de fiscalização de trânsito e que não foram retirados pelos proprietários no prazo estipulado por lei. O pregão será online e presencial. Confira todas os veículos que estão neste leilão.

São ao todo 65 motos e 45 automóveis de diferentes marcas e modelos. Entre as motos, há opções com lances iniciais que variam de R$ 200 a R$ 1,8 mil. Já entre as opções de carros, os valores vão de R$ 600 (GM/Kadett ano de fabricação 1993) a R$ 15 mil (caminhonete Chevrolet/Montana ano 2015 acima). Segundo a tabela Fipe, uma Montana LS 1.4  2015 custa R$ 30 mil. Outro destaque do leilão é um veículo Gol, ano 2015, com lance inicial de R$ 8 mil.

gol-2015

Quem se interessar e quiser verificar a condição de conservação e de alienação dos bens pode comparecer ao pátio, localizado no bairro Portão (Rua Alberto Klemtz, 310), nesta quarta-feira (23) e quinta-feira (24), das 9h30 às 11h30 e das 13h30 às 16h.

Leilão ocorre nesta quarta e quinta-feira. Foto: Divulgação/SMCS.
Leilão ocorre nesta quarta e quinta-feira. Foto: Divulgação/SMCS.

Comprei um veículo no leilão, e agora?

Em até dez dias após o pregão, o leiloeiro notificará a Setran sobre as arrematações para que seja feita a desvinculação dos débitos do veículo, conforme consta em edital. Enquanto não for feito o desvinculo e a transferência da documentação, a circulação do veículo é proibida, sob pena de ser apreendido e o arrematante arcar com as penalidades previstas pela legislação em vigor.

Os veículos são entregues livres de ônus e débitos, observados os prazos para que esse trâmite ocorra, mas cabe ao arrematante arcar com o valor do IPVA e do DPVAT (seguro obrigatório) do ano corrente.

Sucata aproveitável

No sábado (26), acontecem outros dois pregões, somente pela internet, de sucata aproveitável. Deste pregão podem participar apenas pessoas jurídicas que tenham cadastro no departamento de trânsito de qualquer estado brasileiro para comércio de peças usadas.

Os veículos vendidos como sucata serão entregues aos arrematantes sem as placas, sem documentação e sem identificação no monobloco ou chassi, não podendo ser registrados ou licenciados. Nesses casos, é proibida a circulação em via pública, com destinação exclusiva a desmonte e reaproveitamento comercial de peças e partes metálicas.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

‘Louco’motiva de sonhos: aos 36 anos, homem gasta R$ 13 mil para realizar sonho de criança