O pedido de exumação do corpo de Tayná Adriane da Silva, 14 anos, assassinada no fim de junho, em Colombo, foi negado ontem pela juíza Aline Passos, da 1.ª Vara Criminal da cidade. A requisição de nova necropsia no cadáver foi feita pelo advogado Luis Gustavo Janiszewski, porque os familiares estão com muitas dúvidas quanto às circunstâncias do homicídio.

“Pedi também que seja feita outra contraprova do exame de DNA do esperma encontrado nela. Até agora vimos várias contradições no trabalho do Instituto Médico-Legal, do Instituto de Criminalística e da Polícia Civil”, declarou Luis. O advogado não descarta recorrer a instâncias superiores.

O delegado Guilherme Rangel, que chefia as investigações do assassinato de Tayná, tem menos de 20 dias para finalizar o inquérito, que corre em segredo de justiça.