Após duas semanas, a Polícia Civil de Pinhais conseguiu localizar a mãe que abandonou um bebê prematuro morto na caçamba de lixo de um condomínio residencial na Rua Antônio José Pereira, no Jardim Amélia, no dia 3 de maio. Camila de Souza Maciel, de 21 anos, foi identificada como sendo a jovem que teve a criança. Na investigação, a polícia ainda concluiu que a jovem asfixiou o bebê após o parto, antes de jogá-la na lixeira. A moça foi presa depois que o laudo do Instituto Médico-Legal (IML) comprovou que ela foi mesmo a responsável pela morte do próprio filho.

O corpo da criança, de idade gestacional de seis meses, foi encontrado por funcionários da coleta de lixo da cidade. Logo depois, os policiais começaram a receber denúncias sobre quem teria cometido o crime. “Chegamos até Camila, que acabou confessando. De acordo com o que descobrimos, o bebê não era aceito por ela, que alegou não ter condições para criá-lo”, disse o delegado Victor Dutra. Camila já tinha outros dois filhos e a gravidez era escondida da mãe da jovem. “Já para o marido, ela sequer dizia há quanto tempo estava grávida e depois teria dito que teve um aborto”.

De acordo com o laudo feito no IML, a criança nasceu viva e foi asfixiada. Camila, segundo o delegado, demonstrou arrependimento, mas os motivos que a levaram ao crime não justificam nem um pouco a ação. Ela foi encaminhada a Penitenciária Estadual de Piraquara (PEP), também na RMC, onde continua presa. O delegado explicou que exames de sanidade mental foram pedidos e a jovem deve ser analisada para saber se não está doente.