O técnico em informática Laury Silveira, 29 anos, morreu atropelado quando ia ao trabalho, pouco antes das 8h desta segunda-feira (08). Ele estava na calçada, na Avenida Afonso Pena, quase entrando na estação-tubo, quando foi atingido pelo caminhão guincho conduzido por Nilson Luiz Goinski, 34 anos. O motorista foi preso em flagrante. Ele foi submetido ao bafômetro, que apontou 0,73 miligrama de álcool por litro de ar expelido.

Nilson está detido na Delegacia de Delitos de Trânsito. De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, ter atropelado a vítima na calçada agravou o crime, sem direito à fiança. Também foram apreendidos a carteira de habilitação do condutor e o caminhão.

Vidas

A família de Laury foi até o local do acidente e Nilson precisou ser levado às pressas para a delegacia, sob risco de ser agredido. O irmão da vítima tentava consolar a mãe e a cunhada, enquanto fazia um apelo aos motoristas. “Se for beber fique em casa, porque não é só a sua vida que está em jogo, é de todo mundo. Meu irmão deixou um filho de 5 anos, e agora?”, lamentava Dione Silveira.

Der acordo com a equipe do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) o motorista do caminhão placa ASP-7306, bateu em uma moto estacionada, arrastou o veículo até a calçada, atingindo Laury. “O motorista disse que um carro o fechou e ele foi para cima da moto, isso está sendo apurado”, explicou o tenente Gonçalves.

Mais rigor reduz acidentes

A resolução que alterou a Lei Seca entrou em vigor em janeiro. “A antiga lei deixava arestas e tínhamos dificuldade para fiscalizar. Agora a fiscalização é mais intensa, veio da maneira que a comunidade esperava, mais rígida”, explicou o porta-voz do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), tenente Ismael Veiga.

O número de atropelamentos caiu 28% este ano, desde que a fiscalização foi intensificada. O BPTran teve seu efetivo aumentado em 40 policiais, que aumentaram as blitze de uma para três por dia.