Embora o número de assassinatos tenha diminuído na área da Unidade Paraná Seguro (UPS) do Uberaba, a região está longe de ser considerada pacífica. Pouco antes das 21h de terça-feira, o pintor Silvano Pereira dos Santos, 36 anos, foi brutalmente assassinado na Rua Formosa, próximo à linha do trem, na Vila Icaraí. Desde a implantação da UPS, no começo de março, oito pessoas foram mortas na região, que engloba dez vilas e cerca de 30% da população do bairro.

Silvano foi baleado nas costas e agredido na cabeça com um paralelepípedo. O corpo foi arrastado por aproximadamente 30 metros e deixado ao lado do trilho do trem. A esposa de Silvano contou que o marido tinha recebido pagamento à tarde e, antes de voltar para casa, passou em um boteco. Quando foi encontrado, não estava com o dinheiro. A Delegacia de Homicídios trabalha com as hipóteses de latrocínio (roubo com morte) ou briga de bar.

Violência

Recentemente, os bandidos não têm se mostrado preocupados com a presença da UPS na Vila Icaraí. Nos últimos dez dias, três pessoas foram assassinadas na região. Desde março, são oito homicídios na área de atuação da UPS que, além da Vila Icaraí, atinge as vilas Yasmin, Reno, Marumbi I e II, Lotiguassu, Itiberê, Jardim das Torres, União e Cairo.

Embora o índice de mortes seja alto, é a metade do que foi registrado no mesmo período do ano passado. A tenente Caroline Costa, comandante da UPS Uberaba, reconhece que os homicídios preocupam a população, mas afirma que a redução de quase 50% no número de mortes é resultado positivo. “Essa redução é inédita. Mesmo assim, continuamos intensificando o patrulhamento, principalmente à noite e de madrugada, para evitar esse tipo de crime”.