O quiropraxista Pedro Costa conhece a região do Pinheirinho como a palma da mão. Nascido em Joinville (SC) e curitibano de coração, ele está no bairro desde a década de 60 e desde então nunca mais deixou o lugar. “Se me perguntassem onde eu quero passar férias, eu diria Pinheirinho. Não escolheria outro lugar. Amo esse bairro”, afirma categoricamente, em entrevista concedida em seu consultório localizado na Rua Mário Gomes Cézar.

Aos 80 anos, Seu Pedro conta que chegou a Curitiba nos anos 50, após servir o Exército Brasileiro no Rio de Janeiro. “Vim para cá e fui morar na região do Novo Mundo e fui seguindo a vida. No início dos anos 60 vim para esse bairro que eu amo tanto, e que na época ainda tinha os pinheirinhos, para abrir um negócio, uma farmácia, que não por acaso foi batizada com o nome desse lugar. Então foi aberta a Farmácia Pinheirinho”, lembra.

Durante 30 anos, Seu Pedro foi o farmacêutico do bairro e lembra com carinho de como a posição era reconhecida por toda a sociedade. “Era o farmacêutico que remediava, diagnosticava, dava conselhos pra vida, participava constantemente da vida do bairro. Por isso fiquei muito conhecido. Uma vez fizeram uma pesquisa com 30 mil pessoas aqui no Pinheirinho e quase todo mundo disse que me conhecia”, brinca.

Suellen Lima
Seu Pedro diz que não tem lugar melhor para passar as férias que o bairro.

Com o passar dos anos, Seu Pedro conta que a posição de farmacêutico foi perdendo espaço na sociedade e justamente por isso decidiu tomar outros rumos profissionais. Nos anos 90 foi para São Paulo e se formou em quiropraxia. “A profissão de farmacêutico perdeu aquela coisa romântica e como sempre gostei de lidar com as pessoas e ajudá-las, parti para a quiropraxia. Estou há 25 anos nessa”, lembra.

Quiropraxia é a profissão da saúde que lida com diagnóstico, tratamento e prevenção das desordens do sistema neuro-músculo-esquelético. Há ênfase em técnicas manuais, incluindo ajuste e manipulação das articulações, sem uso de medicamentos e procedimentos cirúrgicos.

Seu Pedro conta que viu a região crescer e sempre teve certeza que o Pinheirinho tinha vocação para ser um bairro empreendedor e grande. “Tínhamos aqui as madeireiras. Depois vieram cerealistas. Em seguida o pessoas das panificadoras. O crescimento está no DNA do bairro. Hoje tem aproximadamente 250 mil pessoas vivendo aqui”, ressalta.

Apesar de ter visto o Pinheirinho se tornar um dos maiores bairros da capital, Seu Pedro afirma que não olha para o passado. “Sou um cara que vive o presente intensamente. Me recordo das coisas, mas sem o sentimento de saudosismo. Aproveito o que acontece hoje na minha vida”, conclui.

Suellen Lima
“O crescimento está no DNA do bairro. Hoje tem aproximadamente 250 mil pessoas vivendo aqui”, ressalta.