A informação de que duas escolas estaduais seriam fechadas em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, foi revista pelo governo estadual. Pais de alunos estavam preocupados ao saber que instituições de ensino que funcionam em prédios locados poderiam ser gradativamente fechadas, não recebendo matrículas de novos alunos para 2020, funcionando apenas para concluir o ano letivo de turmas já existentes.

Colombo tem quatro escolas funcionando em locações. No último fim de semana, pais de alunos de uma delas chegaram a protestar cobrando solução da Secretaria Estadual da Educação e do Esporte (Seed). Outra escola também já estava com uma reunião marcada sobre o tema para quinta-feira (5) à noite.

A notícia soou como alívio para duas escolas que estariam na lista de fechamento de Colombo: a Escola Estadual Prefeito Djalma Johnsson e o Colégio Estadual Colombo. Além delas, outras duas escolas da cidade funcionam em prédios locados, que seriam o Colégio Estadual Lindamir Alberti e a Escola Estadual Caminhos da Natureza.

A diretora da Djalma Johnsson, Alexandra Walesko, disse que a notícia do fechamento chegou no dia 28 de setembro, em uma quarta-feira, de forma informal. Desde então, houve uma preocupação com a falta de vagas no município e, no sábado (31), houve manifestação de pais na escola. “Ficamos todos preocupados. A comunidade organizou uma manifestação. Agora, a princípio, a informação é de que não vai fechar. Soubemos ontem, durante uma reunião de planejamento com diretores de escolas do Paraná, com a presença do governador. Eu e a diretora do Colégio Colombo fomos avisadas de que uma análise foi feita e que o governo não vai fechar escolas em Colombo”, disse a diretora.

Érica Eugenia Possette, diretora do Colégio Colombo, diz que chegou a passar dias sem conseguir dormir. “Queriam fechar e isso nos tirou o sono. Mas houve manifestação, eu também fiz postagem no Facebook sobre o assunto. Na verdade, Colombo está com falta de vaga. Na semana retrasada, fui chamada para ir até o Núcleo de Educação. Eles me pediram uma justificativa sobre a necessidade de permanência do funcionamento do colégio. Nossa escola tem mais de 200 alunos e fila de espera em todas as turmas. Além disso, meu argumento principal foi o atendimento de alunos de inclusão. Nosso colégio tem salas direcionadas para isso e Colombo teria que encontrar outra solução caso fechassem”, argumentou.

Segundo as escolas, ainda não foi feito um comunicado formal sobre a decisão de não fechar as escolas. “Mas a boa notícia já soou como um milagre para nós. Escola não tem que fechar”, finalizou a Érica Possette.

O governo do Paraná informou que não pretende fechar escolas. Uma nota enviada à reportagem, pela Seed, informa que “não há planos de fechamento de instituições de ensino da rede estadual. Neste momento, é realizada apenas a coleta e organização de dados para o planejamento do ano letivo de 2020”.

Concurso público terá mais de 3 mil vagas para agentes, policiais civis e militares