Um cenário de guerra. Assim pode ser definido o começo da manhã deste domingo (23), no Largo da Ordem, ponto turístico no Centro de Curitiba. Um grupo de jovens provocou arrastão, quebra-quebra em barracas e até atacou a Guarda Municipal. Um agente foi ferido com um corte na mão após uma garrafa ser arremessada contra ele. Apesar de toda a confusão, ninguém foi preso.

O auge da confusão ocorreu perto das 6h30 quando teria ocorrido um arrastão com o objetivo de assaltar quem estivesse na frente dos baderneiros. “Trabalho aqui há muitos anos, mas o que aconteceu aqui foi coisa de louco. Perto do cavalo-babão tinha gente sendo assaltada. Fui embora correndo para casa”, relatou um guardador de carro que pediu para não ser identificado.

No momento da confusão duas viaturas da Guarda Municipal que estavam no local pediram reforços. Em poucos minutos, 19 agentes já estavam na ação com o objetivo de manter a ordem pública e evitar que prédios e casas históricas fossem danificados por pichações ou até mesmo fossem invadidas.

Com a presença policial, os jovens começaram a atacar a guarda com garrafas de vidro e pedras. Na tentativa de proteção, armas não letais foram usadas com balas de borracha para afastar os vândalos. “Eles jogavam tudo nos agentes e, em alguns momentos, a Guarda foi perdendo o controle. Fiquei dentro do veículo com muito medo. Se eu saísse do carro poderia ser acertado. Foi um caos”, comenta o comerciante Augusto Ribas, 66 anos, dono de uma barraca na feirinha há 41 anos.

Vandalismo e cheiro ruim

Apesar da confusão na madrugada deste domingo, muitas pessoas foram ao Largo da Ordem, ponto turístico de Curitiba. Foto: Gerson klaina/Tribuna do Paraná.

O vandalismo na madrugada deixou o cenário da feirinha com cara de tristeza. Apesar de ter uma boa presença de público, os comerciantes ainda lamentavam a confusão. Ao passear pela região mais afetada (Cavalo Babão), a reportagem da Tribuna do Paraná percebeu uma coloração amarelada na água, cheiro de fezes e pichações em alguns pontos como o relógio das flores.

“Infelizmente, isto está cada vez pior e todo domingo é a mesma coisa. As pessoas perderam a noção e quem paga é a gente que está aqui todo fim de semana. Chegamos cedo e começamos a atender muito tempo depois, pois precisamos limpar sempre”, explicou Augusto.

Polícia vai investigar

A investigação que pode chegar aos responsáveis pela confusão vai estar a cargo da Polícia Civil já nesta segunda-feira (24). Imagens de câmeras de segurança irão ser analisadas e podem auxiliar na busca dos vândalos.