Os 395 feirantes de Curitiba, permissionários da Secretaria Municipal de Abastecimento e Agricultura, vão ganhar um novo programa de empreendedorismo, para uma gestão mais profissional e competitiva. O anúncio foi feito pelo secretário Luiz Gusi na segunda-feira (16), na primeira reunião de trabalho com representantes das 90 feiras da capital. O resultado do encontro, uma pauta de reivindicações, será entregue ao prefeito Rafael Greca em um reunião com os feirantes na segunda-feira (23).

“Estamos buscando uma parceria com o Sebrae com o objetivo de fomentar o negócio dos nossos feirantes, para a geração de renda e criação de novas oportunidades”, salientou o secretário. Além disso, ressalta Gusi, o programa terá a missão de dar aos feirantes dicas de posicionamento no segmento em que atuam e como oferecer um serviço de melhor qualidade para a população.

Durante a reunião, os feirantes apresentaram reivindicações à Prefeitura de Curitiba. Entre os pedidos, maior divulgação das feiras, inclusão no roteiro turístico da capital, parceria com entidades de assistência social para destinação de frutas e verduras sem valor comercial, policiamento nas feiras e regulamentação de estacionamento diferenciado nas imediações das praças, dos parques e das ruas em que ocorrem.

Mais capacitação

Com banca de hortigranjeiros nas feiras livres de Curitiba há 30 anos, Wanda Wall Sugamosto, comemorou este novo momento da Secretaria Municipal de Abastecimento e Agricultura. “Com a crise econômica, está cada vez mais difícil trabalhar e é importante termos esse apoio. Temos que ter maior capacitação, segurança e flexibilidade na questão do estacionamento”, observou.

Denis Gracia, que comercializa produtos orgânicos nas feiras da Praça do Japão e do Passeio Público, também aprovou o primeiro encontro. “É muito bom ver que a secretaria está nos ouvindo. Precisamos muito do apoio da Prefeitura tanto em divulgação quanto na questão da segurança e do estacionamento”, reforça.

Guilherme Koziol, que vende hambúrgueres italianos nas feiras gastronômicas e noturnas da capital, também saiu muito animado da reunião com o secretário. “Para que mais pessoas visitem as feiras, é preciso melhorar a estrutura e a divulgação. Também precisamos de maior capacitação”, enumera.

Números

Além das tradicionais feiras livres, a Secretaria Municipal de Abastecimento e Agricultura é responsável pela coordenação das feiras gastronômicas, noturnas, de orgânicos, do litoral e dos programas Nossa Feira e Direto da Roça e Mar. São 90 feiras que reúnem produtores, comerciantes, associações e empresas.

Somente as feiras livres volantes empregam diretamente e indiretamente 3.240 pessoas e comercializam semestralmente 896 toneladas de produtos, entre hortifrutigranjeiros (60%), cereais, carnes, peixes, doces caseiros, lanches (pastéis e salgados), conservas em geral, frios e lacticínios, sementes, temperos e armarinhos.