A meta de redução de 20% no consumo de água em Curitiba e região metropolitana não está do jeito que a Sanepar desejava. Pelo contrário: o consumo está aumentando, o que só piora o quadro da pior estiagem da história.

A economia que estava em 16% recuou para 14% nos últimos dias. Além disso, o nível das barragens não aumentou na grande Curitiba, apesar das chuvas das últimas semanas. Na medição na manhã desta quarta-feira (21), as barragens estão com apenas 28,66% de água. Com isso, o sinal de alerta está ligado mais uma vez, já que não está descartado um rodízio no fornecimento de água ainda mais rígido. Se o nível das barragens bater em apenas 25%, a Sanepar vai adotar um rodízio mais severo que o atual, de 36 horas com água e 36 horas em água nos imóveis.

LEIA MAIS – Família de Curitiba reduz conta de água em 40% com simples mudanças de hábito

Em entrevista ao jornal Meio-Dia Paraná da RPC nesta quarta, o coordenador de Comunicação da Sanepar, Hudson José, enfatizou que as pessoas não podem desistir de economizar mesmo quando chove. “As pessoas acabam sendo influenciadas pelo retorno das chuvas e esquecem de tomar cuidados. Falamos aqui que a chuva lava à memória da seca. Este período de chuva não foi ruim, mas o consumo está crescendo e por iss seguimos com o alerta amarelo”, disse o coordenador.  

Perspectiva ruim

No contato diário da Sanepar com meteorologistas não só do Paraná, mas do Brasil e de até outros países, a previsão não é otimista. A previsão é de que o quadro de estiagem não melhore na primavera.

VEJA TAMBÉM – Garrafa pet, WhatsApp e mobilização fazem prédio de Curitiba exemplo de economia de água

“Trabalhamos com a medição dos institutos de meteorologia com cenário de seca. A primavera e o verão devem ter temperaturas elevadas e pouca chuva. Infelizmente é preciso reforçar o pedido para que a população faça o consumo consciente. O índice está próximo de 25% dos reservatórios e se chegarmos a este número podemos adotar medidas mais rígidas”, alerta Hudson.

Dicas para economizar água!

– Feche a torneira: ao lavar as mãos ou a louça, não deixe a torneira aberta todo o tempo. Feche na hora de passar sabão e só reabra no enxague. Isso evitará que vários litros de água tratada sejam desperdiçados.

– Hora do banho: seja rápido no banho. Cada 5 minutos embaixo do chuveiro ligado consomem aproximadamente 70 litros de água.

– Basta um copo: para escovar os dentes é necessário apenas um copo de água. Evite deixar a torneira aberta.

– Use a vassoura: água não é vassoura. Jamais use a água da mangueira para “varrer” a sujeira. A vassoura faz isso muito bem sem usar água.

– Economia: diminua as descargas e regule periodicamente a válvula hidra ou a caixa de descarga. Você também pode usar uma garrafa pet dentro para ocupar espaço.

– Lavando roupa: junte roupas para lavar todas de uma só vez. Não jogue fora á água da lavagem. Aproveite a água usada no tanque ou na máquina para lavar calçadas.

– Vazamentos: os maiores ladrões de água são vazamentos, torneira pingando e descarga desregulada. Faça manutenção regularmente.

– Carro limpo: use baldes, e não a mangueira, para lavar o carro. Seu automóvel fica limpo e a economia pode chegar a 300 litros de água. Mas nesse período de estiagem, andar com o carro sujo é um ato de cidadania. Deixe pra lavar o carro quando o fornecimento de água voltar ao normal.

– Fazendo a barba: não faça a barba com a torneira aberta o tempo todo. Use a água somente para molhar e enxaguar o rosto.

– Lavar as mãos: lavar as mãos com a torneira aberta o tempo todo causa um grande desperdício. Ao ensaboar as mãos, deixe a torneira fechada.

– Reaproveite: a água do último enxágue das roupas, no tanque ou na máquina, pode ser usada para ensaboar tapetes, tênis, cobertores, pisos e calçadas.

– Gaste menos: ao lavar a louça, encha a cuba de água e deixe-a fechada. Evite deixar a torneira aberta, enxágue a louça toda ao final da lavagem. Assim, o gasto de água é bem menor.

– Lixo no lixo: nunca jogue cigarros, absorventes ou papéis no vaso sanitário, porque o lugar deles é na lixeira. Isso pode entupir o vaso, o que gera mais gasto de água.

– Viajou? Fechou: quando viajar, feche o registro do cavalete de entrada de água, evitando desperdícios e vazamentos.