enkontra.com
Fechar busca

Curitiba e Região

Trânsito

Sob protestos, Curitiba terá mais uma faixa exclusiva para ônibus

Curitiba terá, a partir dessa quinta, mais uma faixa exclusiva para ônibus. Novo trecho é alvo de contestação de comerciantes

  • Por Angieli Maros - Gazeta Do Povo
Funcionários da prefeitura finalizaram a pintura das faixas para a implantação das faixas exclusivas para ônibus nas ruas Alfredo Bufren e Amintas de Barros. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Funcionários da prefeitura finalizaram a pintura das faixas para a implantação das faixas exclusivas para ônibus nas ruas Alfredo Bufren e Amintas de Barros. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Curitiba terá a partir dessa quinta-feira (28) a sétima faixa exclusiva para ônibus de transporte público. O novo trecho se estende por 750 m ao longo das ruas Amintas de Barros e Alfredo Bufren no Centro, no trecho entre as ruas Presidente Faria, ao lado da Praça Santos Andrade, e a General Carneiro, na altura da reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Projetado para diminuir o tempo de viagem das 13 linhas que passam pela região, a faixa já é alvo de contestação dos comerciantes locais, que reclamam dos problemas que serão gerados com o fim dos estacionamentos e das áreas de embarque e desembarque das vias.

De acordo com a prefeitura, a mudança vai beneficiar 41 mil passageiros dos ônibus que circulam por ali. Nas primeiras duas semanas, haverá orientação diária de agentes da Superintendência Municipal de Trânsito (Setran), mas multas para motoristas que trafegarem pela faixa restrita só começarão a ser aplicadas em 11 de abril.

Como as anteriores, a mudança faz parte de um projeto que pretende dar mais agilidade ao transporte público e, dessa forma, atrair mais passageiros para o sistema – que até 2018 vinha registrando queda sequente de usuários.

“A demanda das mudanças é da Urbs, que gerencia o transporte coletivo em Curitiba. Ela demanda algumas ruas para que a gente estude a possibilidade de implantar as faixas e, dentro desse estudo, verificamos todas as possibilidades”, explica Rosangela Maria Battistella, superintendente municipal de Trânsito. “Essa faixa vai encurtar o tempo de percurso dos ônibus que passam por ali e isso traz mais qualidade para o transporte”, completa.

Vagas

Apesar de as multas para motoristas que avançarem pela faixa exclusiva não estarem valendo neste primeiro momento, o mesmo não ocorre com quem parar o carro nas antigas vagas de estacionamento da via. Para implementar a faixa sem criar um gargalo no trânsito da região, a prefeitura precisou banir os espaços rotativos de estacionamento tanto na Afredo Bufren como na Amintas de Barros, medida que tem causado indignação entre os comerciantes.

Ruas Alfredo Bufren e Amintas de Barros passam a ter faixa exclusiva para ônibus a partir dessa quinta-feira. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Ruas Alfredo Bufren e Amintas de Barros passam a ter faixa exclusiva para ônibus a partir dessa quinta-feira. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Gerente de um hotel na Rua Amintas de Barros próximo à esquina com a rua Tibagi, Luciano Freitas, 52 anos, diz ainda não ter encontrado uma solução para um serviço essencial do estabelecimento: o embarque e desembarque de hóspedes. Até setembro de 2018, o hotel disponibilizava uma área de remanso para os clientes, mas ficou dependente das vagas da rua depois que a Urbs determinou a extinção do recuo. Agora, sem o estacionamento público, o gerente teme uma perda no faturamento.

“Essa mudança foi num estalar de dedos. Quando fomos questionar, falaram que o problema é do hotel arrumar uma solução. Só que os meus hóspedes não vão considerar isso. O táxi não vai parar aqui na frente para ser multado. Vou ficar sem hóspede. E a prefeitura, que vive de imposto, não vai mais recolher imposto. Foi um tiro no pé”, avalia o gerente, que disse que o estabelecimento não foi procurado pela prefeitura para uma conversa antes da mudança.

A uma quadra dali, Carlos Alan, 34 anos, proprietário de uma distribuidora de bebidas em frente à Praça Santos Andrade, também reclama. Segundo conta, a prefeitura não levou em conta a necessidade de manter uma área de desembarque de mercadorias na via, que abriga diversos pontos comerciais.

“Eu recebo todo dia cargas com 100, 150 galões de 20 litros de água. Dependendo de onde a empresa encontrar estacionamento, eu não posso recolher os produtos. Sinceramente, não sei como vai ser. Fecho as portas? Qual empresa vai querer puxar os produtos de não sei quantas quadras aqui para mim?”, reclamou.

+ ‘Atacarejo’ abre 250 vagas para Grande Curitiba; seleção será nesta quinta

Alan também reiterou o fato de a prefeitura não ter feito uma reunião com os donos dos estabelecimentos antes de implantar a mudança. Segundo ele, algumas alternativas – como o recuo da calçada para uma área de embarque e desembarque – já foram discutidas entre ele e os vizinhos, mas sequer foram ouvidas pela administração municipal. “Eles nem isso ouviram da gente. Só falaram que não pode parar nenhuma hora, nem de madrugada”.

Em um minimercado ao lado da distribuidora, o entregador Paulo Cesar Costa, 45, sustentava a mesma consternação. “É uma palhaçada”, reclamava enquanto levava frangos em um carrinho para o estabelecimento. Antes, era só parar com o caminhão em frente à loja e descer a mercadoria. Hoje, a única solução encontrada foi parar o veículo na Praça Tiradentes  – a uma distância aproximada de 700 metros – e puxar os produtos aos poucos.

Segundo a Setran, possíveis melhorias no trecho não estão fora de discussão. Para os comerciantes, a criação de um recuo na calçada poderá ser estudada, caso os técnicos admitam viabilidade. Mas ainda não é garantia. “De qualquer forma, na universidade, ao lado direito, tem justamente um espaço para carga e descarga que pode ser utilizado”, respondeu a superintendente de Trânsito.

Quanto ao hotel, a pasta informou que já está buscando uma forma de viabilizar a parada de ônibus de excursão em frente ao estabelecimento, mas que a parada de veículos menores deverá ser de responsabilidade do próprio hotel.

Medo é rotina em escola que quase foi palco de massacre na Grande Curitiba

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

17 Comentários em "Sob protestos, Curitiba terá mais uma faixa exclusiva para ônibus"


Nilton César
Nilton César
26 dias 7 horas atrás

Ninguém quer pegar ônibus é pelo preço , simplesmente dependendo do percurso não compensa e é perigoso , simples assim. O comércio do centro já está se acabando e com esses “incentivos “, em breve a região será um local fantasma.

El Pancho
El Pancho
26 dias 7 horas atrás

Realizaram estudos técnicos, não me faça rir… Bando de incompetentes.

Lasca Denovo
Lasca Denovo
26 dias 8 horas atrás

Não é de hoje que a PMC vem acabando com as vagas de estacionamento e, em consequência, com a clientela dos estabelecimentos na proximidades do centro. Vários bares estão vazios, alguns fecharam as portas. Saudade do Parceria e do Back bar!

Flavio Steiner
Flavio Steiner
26 dias 9 horas atrás

Bem vindo ao comércio eletrônico. Você poderá comprar água virtualmente. E bebê-la também. Você poderá usufruir de um hotel virtual. Você poderá se hospedar no site dele. E a prefeitura vai arrecadar menos, muito menos. Mas aí poderá multar mais, muito mais. E compensa os impostos perdidos nos servi

Carlos Saczk
Carlos Saczk
26 dias 10 horas atrás

Com certeza o protesto foi daqueles que não usam o transporte coletivo, temos que conscientizar nossos motoristas a respeitarem as faixas exclusivas para os ônibus.

Tsáh La
Tsáh La
26 dias 8 horas atrás

Quem usa o transporte coletivo, vem trabalhar nos comércios que irão fechar as portas, sendo assim no fim das contas, nem vai usar mesmo.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas