Um dos primeiros casos graves de covid-19 em Curitiba foi do médico Jamal Munir Bark, de 59 anos. Entre março e maio, ele passou quase dois meses internado, sendo 30 dias na UTI, lutando contra a doença. Totalmente recuperado, mas ainda afastado do trabalho – ele atende na UPA do Boqueirão – Dr. Jamal alertou para a gravidade do vírus em sua participação no boletim diário da Secretária Municipal de Saúde.

LEIA MAIS: Curitiba tem 411 novos casos de coronavírus; mais de 11 mil já estão recuperados da doença

“Eu fiquei na linha entre a morte e a vida. Que as pessoas tomem ciência que é uma doença grave, sistêmica. Usem máscara, álcool gel, se cuidem. Aquelas pessoas que não precisem ir para a rua, fiquem em casa. Por própria experiência, a doença é muito grave. 85% sofrem sintomas de forma leve. Mas as pessoas que pegam o quadro crítico como que eu peguei, é algo que não desejo para ninguém. Eu sofri na própria pele. Foi muito difícil”, contou o médico. 

“Não fiquei com sequela neurológica. Nos primeiros dias depois que saí do hospital, eu não tinha paladar. Não conseguia sentir a diferença entre água e café. Não sabia diferenciar se estava comendo alface ou kibe. “, complementa.

Dr. Jamal diz que não vê a hora de voltar ao trabalho, mas o retorno ainda será gradual. “Agora estou louco para trabalhar. Estou louco de saudade de todos os meus colegas. Quero ajudar a salvar cada vez mais vidas”, garante. A previsão é que volta a atender na próxima semana. O médico não apresenta mais risco de contágio.

LEIA MAIS: Secretária de saúde de Curitiba: “Começamos a quarentena cedo demais”

Por fim, Dr. Jamal passou um recado otimista e alertou as pessoas que sentirem qualquer sintoma da doença. “Sentiu tosse, coriza, dor de garganta, ou qualquer sintoma leve, procure o médico. Os profissionais de saúde estão com mais experiência no tratamento. Não desistam, nós vamos vencer essa pandemia”. 


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?