Em reunião nesta terça-feira (24) com o governador Beto Richa, o prefeito Rafael Greca pediu o apoio do Governo do Estado para a execução de obras de infraestrutura prioritárias em Curitiba. Para isso, será criado um programa metropolitano que prevê a pavimentação de ruas por onde passam os ônibus, revitalização de avenidas e ampliação de viadutos.

“Saio satisfeito da reunião com o governador e confiante de que teremos o apoio do Estado para em breve iniciar um grande programa de obras pela cidade. Curitiba volta a ser uma só, uma cidade metropolitana”, afirmou Greca. A audiência, realizada no Palácio Iguaçu, teve a presença do vice-prefeito e secretário de Obras Públicas e Infraestrutura, Eduardo Pimentel.

Entre as obras, Greca destaca a requalificação da Avenida Manoel Ribas, a continuidade da Via Veneto, melhoria no binário da Anita Garibaldi, duplicação do viaduto do Orleans e um grande programa de pavimentação das ruas que passam ônibus. “Essa medida é muito importante devido a integração metropolitana do transporte”, afirmou o prefeito. A proposta é que o Estado entre com recursos do ParanáCidade e a Prefeitura com desapropriação e projetos executivos.

O governador destacou a boa relação do Estado com a Prefeitura e defendeu que Curitiba precisa ser pensada como uma cidade metropolitana. “Temos hoje uma perfeita integração entre o governo e prefeitura para a melhoria da nossa cidade, principalmente com a volta da integração do transporte metropolitano. Por isso, vamos nos associar ao município para recuperar o pavimento que está muito deteriorado”, afirmou Richa.

Ele citou ainda obras do Estado em execução na Região Metropolitana de Curitiba, como as duplicações da Rodovia da Uva, da Estrada do Cerne e da Rodovia João Leopoldo Jacomel.

Viaduto do Orleans

Eduardo Pimentel destacou o bom relacionamento com o Governo do Estado e disse que uma das prioridades é o apoio para ampliar a capacidade de tráfego no Viaduto do Orleans sobre a BR-277, principal ligação entre os bairros do São Braz, Orleans e Campo Comprido.

“Como o viaduto não comporta mais a quantidade de veículos que transitam entre os bairros, fizemos essa primeira conversa com o Estado para encontrarmos uma alternativa para viabilizar essa importante obra de infraestrutura, que irá melhorar a vida dos moradores e motoristas da região”, afirmou Pimentel.

A intervenção no viaduto é uma reivindicação da população da região há muitos anos, devido aos recorrentes congestionamentos.