A prefeitura de Curitiba conseguiu aprovação da Caixa Econômica Federal para investir R$ 240 milhões em obras de drenagem e prevenção de enchentes ao longo do Rio Belém. O valor equivale a 73% dos R$ 330 milhões previstos originalmente no projeto. A garantia dos recursos acontece cinco anos após o contrato com o governo federal, que aprovou a destinação de cerca de R$ 790 milhões para o município no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2).

A liberação dos recursos a fundo perdido ocorreu depois de o prefeito Rafael Greca (PMN) renegociar o prazo para envio do projeto ao Ministério das Cidades e de a equipe técnica da prefeitura fazer as adequações exigidas pela Caixa Econômica Federal, sem as quais os recursos não seriam liberados.

Segundo o secretário municipal de Governo, Luiz Fernando Jamur, as obras vão resolver problemas como os que ocorreram, por exemplo, nas enchentes causadas pelas fortes chuvas que atingiram Curitiba em junho.

“Na bacia do Belém, nós vamos investir R$ 240 milhões no reperfilamento de todo o Rio Belém naquela área, e com o trabalho do Rio Pinheiro Pinheirinho que já está em andamento, onde estamos investindo R$ 120 milhões, nós vamos dar condições de vazão, porque o Pinheirinho leva à bacia do Belém”, afirmou Jamur. As intervenções serão feitas nos bairros  Fanny, Guaíra e Parolin.

O objetivo das obras de perfilamento é aumentar a capacidade de vazão e retenção da água na ocorrência de chuvas e, portanto, reduzir as chances de alagamentos dos cursos d’água.

A expectativa da prefeitura é conseguir autorização do Ministério das Cidades para fazer a licitação até o mês de setembro. Se esse prazo for respeitado, as obras poderão começar ainda em 2017.

Obras no Atuba e no Barigüi

Além das obras no Rio Belém, a prefeitura também apontou como obras prioritárias dentro do pacote de projetos submetidos ao Ministério das Cidades, a conclusão do perfilamento do trecho sul do Rio Barigüi e intervenções na bacia do Rio Atuba.

No Rio Barigüi, o projeto envolve a conclusão das obras de perfilamento do trecho sul do rio, na região da Cidade Industrial de Curitiba, quase na divisa com Araucária, e o início das obras no trecho norte, a partir dos fundos da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Segundo a secretaria de Governo, a prefeitura já garantiu, apenas em 2017, R$ 40,1 milhões para a execução dessas obras.

Outra região apontada como prioritária pelo Executivo municipal é a bacia do Rio Atuba, na região do bairro Santa Cândida. O projeto submetido ao Ministério das Cidades prevê que as obras comecem com a implantação de duas bacias de contenção na região do Parque Atuba. Para essas intervenções, a prefeitura já garantiu R$ 29 milhões da Caixa Econômica.

“A princípio a ideia é recuperar toda a bacia, mas focamos nessa área porque você faz uma composição com o parque e melhora o rio como um todo”, explica.