“Nosso presidente disse que as coisas estavam melhorando, mas isso aqui é a resposta de que está tudo igual”, desabafou Lucas António Bento, de 21 anos. O rapaz está na fila, desde às 8h desta quinta-feira (11), para disputar uma das 30 vagas oferecidas por uma empresa de segurança do bairro Uberaba, em Curitiba. Pelo menos 300 pessoas vieram para disputar as vagas oferecidas, concorrência parecida com a de um vestibular ou concurso público.

emprego 5
Lucas estava indignado com a situação do país. Foto: Gerson Klaina.

Lucas disse que quando chegou, a fila já era grande. “Teve gente que madrugou aqui. As pessoas precisam mesmo trabalhar e temos que buscar as oportunidades”, afirmou o jovem.

Desempregado há cinco meses, o rapaz tenta uma das vagas para porteiro. “Ficamos felizes por parte da empresa, que está conseguindo oferecer emprego em meio a essa crise. Embora o Temer diga que não estejamos mais em crise, essa fila enorme é o reflexo do que acontece no país”, comentou Lucas.

Em uma união estável, o rapaz que teve o último emprego em uma autopeças relatou que as coisas em casa estão começando a apertar, pois o seguro desemprego está quase acabando. “Minha esposa tem um salão de beleza, mas as coisas não estão indo muito bem. Desde quando sai da empresa, justamente por causa da crise, estou em busca, mas tá bem difícil”.

Foto: Gerson Klaina.
“Não tenho dinheiro sequer para comprar um salgado para não passar fome na fila”, desabafou Rodrigo. Foto: Gerson Klaina.

Já para Rodrigo Pacheco Gonçalves Frias, 33, a situação é ainda mais complicada. Desempregado desde outubro de 2016, ele já está desesperado porque tem compromissos inadiáveis. “Pago pensão do meu filho pequeno pra pagar. Graças a Deus, a minha ex é compressiva e entende minha situação, mas está chato pra mim”.

Segundo o homem, que teve o ultimo emprego como vigilante e tem no currículo o curso de especialização, tem sido muito difícil conseguir um emprego na área. “São poucas as ofertas. Desde quando perdi o emprego, tenho dependido do meu pai, o que é horrível, triste. Hoje, por exemplo, não tenho dinheiro sequer para comprar um salgado pra não passar fome na fila”, desabafou.

Concorrência grande

Conforme a diretoria da empresa, quatro fases de seleção vão ser feitas pela empresa. Nessa primeira, algumas pessoas já saem sabendo que devem voltar para completar o processo seletivo. As vagas oferecidas são para portaria, vigia, auxiliar de limpeza, serviços gerais e zelador.

“Pra gente, essa grande quantidade de gente disputando as vagas é bom, porque aí temos como selecionar bem. Mas por outro lado, pensando humanamente, é triste ver a situação das pessoas”, comentou Osvaldir Farias Ribeiro, o dono da empresa. Para atender a todos, o diretor disse que os funcionários não iriam parar nem para o almoço. “Se o povo está sofrendo na fila, nós temos que sofrer aqui junto com eles também, para evitar que esperem muito”.

Foto: Gerson Klaina.
O diretor da empresa comentou que é difícil ver a situação das pessoas precisando de emprego. Foto: Gerson Klaina.

Especialização

Ter a especialização na área de vigilância é um fator que, para a diretoria da empresa, já estava sendo considerado como diferencial na disputa pelas vagas. “Por isso que insistimos em dar essa dica para as pessoas. Sabemos que a situação está complicada, mas se pudesse deixar um recado, seria para que se especializem e busquem uma forma de melhorar o currículo, mesmo que seja de forma gratuita”, orientou Osvaldir. A empresa tem planos para aumentar o número de vagas.

Serviço

Empresa: Ribeiro Segurança e Vigilância do Brasil Ltda
Endereço: Rua Travessa Ferreria, 32 – Uberaba, Curitiba.
Telefone: 3277-3686