O ataque contra a delegacia de Pinhais, pouco antes das 18h desta quinta-feira (9), resultou na fuga de mais de 10 presos, troca de tiros com a polícia, pelo menos 11 feridos, entre policiais e presos, e em rebelião que durou até as 23h15. Alguns fugitivos roubaram dois carros e uma motocicleta no entorno da delegacia e outros escaparam a pé, em meio ao tiroteio. Alguns carros estacionados exibiam marcas de tiros, mostrando a intensidade do combate.

Minutos depois da fuga, um dos dois veículos roubados foi interceptado quase na divisa com Piraquara. Houve nova troca de tiros e um dos fugitivos foi baleado na mão. Outros dois também foram detidos.

No ataque à DP, o policial militar Bordignon, do 17.º Batalhão, foi baleado no braço e no peito, protegido por colete balístico. Dois investigadores da delegacia, identificados como Osmair e Urubatan Gonçalves, também foram feridos. Eles foram levados para dois hospitais de Curitiba. O PM recebeu alta horas depois. Os dois policiais civis foram submetidos à cirurgia, mas o estado de saúde deles não foi divulgado.

Rebelião

Com a chegada do reforço de dezenas de equipes das polícias Civil e Militar até a delegacia, os presos que ainda não tinham conseguido fugir se trancaram nas celas e iniciaram a rebelião. Vários quarteirões em volta da delegacia foram isolados.

Dentro houve incêndio em uma das celas, que foi controlado rapidamente. Os detentos, armados e com celulares na carceragem, exigiam a presença do juiz da comarca, um representante dos direitos humanos e também da imprensa dentro da delegacia para continuar as negociações.

Do lado de fora, familiares estavam desesperados por informações. Alguns deles conversavam por celular com os parentes presos, que davam informações desencontradas para gerar pânico.

Lotação
Os detentos disseram que a carceragem estava superlotada, por isso arquitetaram o arrebatamento e se rebelaram em seguida. Policiais do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) conduziram a negociação para desarmar os presos e acabar com o motim.

Por volta das 23h15, os presos se renderam aos negociadores e entregaram as armas. A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública informou que não houve mortos, mas não confirmou o número de presos feridos.

Lista de fugitivos

A Polícia Civil divulgou os nomes dos presos que fugiram durante a rebelião. São eles: Felipe Antunes, Fábio Marquionato Fernandes “Pinguim”, Fernando de Melo, Jefferson Luis Lovizotto, Marcos Alexandre Xavier e Valcir Cunha.

Veja na galeria de fotos a movimentação na delegacia.