Um falso ofício sobre uma mudança de bandeira de alerta para o coronavírus em Curitiba a partir do dia 20 de novembro chamou a atenção da Secretaria Municipal da Saúde. De acordo com a prefeitura, o documento com carimbo confidencial é falso e trata-se de uma montagem para confundir a população a respeito das supostas medidas de combate a pandemia.

A falsificação foi revelada porque o documento que circula nas redes tem o nº 482/2020, de 6 de novembro. De acordo com a secretaria, o ofício original se refere a um documento do dia 16 de setembro, destinado à Secretaria Municipal de Finanças, solicitando a liberação de pagamento de despesas de pessoal.

LEIA TAMBÉMFestas de fim de ano podem levar Curitiba à segunda onda de covid-19, avalia prefeitura

O candidato à reeleição em Curitiba, Rafael Greca (DEM), garantiu em sua rede social que não vai ter lockdown após as eleições deste domingo (15). De acordo com o prefeito, o contágio é quem define as bandeiras da cidade. “Curitiba tem um sistema de média ponderada para avaliar a pandemia, que está controlada, estabilizada na bandeira amarela. Por isso eu peço, continue se cuidando, use máscara, lave bem as mãos, use álcool em gel e mantenha o distanciamento social”, disse.

Bandeira amarela deve vigorar nos próximos dias

De acordo com o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde, Alcides Oliveira, Curitiba deve seguir em alerta amarelo mesmo com o aumento de casos dos últimos dias. Isso porque a avaliação engloba não só a transmissão da doença, como também óbitos, proporcionalidade em relação a população e leitos livres de UTI e enfermarias.

Como os últimos dias apresentaram um acentuado aumento no número de casos, mas não em casos de internamento e óbito, Curitiba vai seguir em bandeira amarela pelos próximos dias. Os dados analisados semanalmente seguem uma tendência de estabilização por enquanto.