Serão abertos no dia 27 de junho os envelopes com as propostas da licitação para a execução da requalificação da Avenida da Integração – mais uma alternativa para melhorar o fluxo e uma nova ligação, através da Linha Verde Norte, entre Curitiba e o município de Pinhais.

A obra, a cargo da Comec, tem 5,1 quilômetros, inclui recapeamento, iluminação, drenagem, paisagismo (calçada, ciclovia) e abrange as seis pistas já existentes. Deverá ser executada no prazo de 365 dias a partir da assinatura do contrato, ao preço máximo de R$ 12,3 milhões. Os recursos são da PAC da Copa.

Das seis vias, três estão localizadas em Curitiba e três em Pinhais. A requalificação será iniciada na confluência da Rua Madalena Sofia Borat com a Rua José Zgoda (em Curitiba) e se estende até a Avenida Jacob Macanhan (em Pinhais). A ligação com a BR-116 (Linha Verde Norte) se dará na continuidade da rua José Zgoda até a trincheira da Gustavo Rattmann.

Entre as obras previstas estão a criação de faixas adicionais de estacionamento lateral, o alargamento da ponte sobre o Rio Atuba e regularização dos respectivos passeios laterais, duplicação da Avenida Maringá e adequação da Rua Euclides da Cunha Ribas, além da execução de calçadas, rampas de acessibilidade nas esquinas e ciclovia compartilhada.

Obras da Copa – A requalificação da Avenida da Integração visa melhorar a infraestrutura viária e a mobilidade na região. Ela integra um pacote de R$ 2 bilhões em investimentos que estão sendo feitos no Paraná com vistas a Copa do Mundo de 2014. Somente os projetos da Comec, responsável por obras de mobilidade na Região Metropolitana de Curitiba, passam de R$ 500 milhões.

Para obras de mobilidade na capital paranaense, que contam com recursos do PAC, serão destinados cerca de R$ 380 milhões. A Prefeitura de Curitiba está viabilizando diversas obras com recursos próprios, que alcançam aproximadamente R$ 140 milhões. A Copel projeta investir R$ 480 milhões na ampliação de redes de energia, novas subestações e linhas de transmissão. Os investimentos em aeroportos, a cargo da Infraero, chegam a R$ 300 milhões.