Um apagão por volta das 14h desta terça-feira (04) deixou 548 mil casas sem luz em Curitiba. Segundo o que a Copel informou nas redes sociais, a causa do problema seria uma falha no Sistema integrado Nacional, em Brasília, e que afetou o fornecimento de energia elétrica nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. A situaçlão só foi normalizada por volta das 15h40, quando a Copel religou o sistema.

Em Curitiba, os bairros afetados são Alto da XV, Boa Vista, Pinheirinho , Mercês, Centro Cívico, Capão Raso, Santa Quitéria, Juvevê, Xaxim, Cajuru, Portão e Hauer. Com a falta de energia, alguns semáforos também estão desligados, o que exige maior atenção dos motoristas. A Secretaria de Trânsito (Setran) informou que montou uma força-tarefa para orientar a movimentçaão de veículos nas regiões atingidas.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, ainda não é possível afirmar o que teria causado a falha no sistema e qual a dimensão do problema. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) confirmaram o apagão e disseram investigar as causas.

A Copel foi procurada inúmeras vezes pela reportagem do Paraná Online, mas não atendeu às ligações.

Confira na íntegra a nota do ONS enviada à imprensa

Às 14h03min do dia 04/02/2014, ocorreu um curto-circuito monofásico envolvendo a fase A da linha de transmissão 500 kV Miracema – Colinas C3, de propriedade do agente de transmissão Intesa, cujo controlador é o FIP Brasil, sendo a falha eliminada pela atuação correta das proteções da linha.

Em seguida, ocorreu um curto-circuito bifásico-terra envolvendo as fases A e B da linha de transmissão 500 kV Miracema – Colinas C2, de propriedade do agente de transmissão Taesa, cujo controlador é a Cemig, sendo a falha eliminada pela atuação correta das proteções da linha.

Após a configuração da perda dupla entre Miracema e Colinas e considerando que o somatório dos fluxos nos três circuitos deste trecho, imediatamente antes dos distúrbios, era de 3.400 MW, foi acionada a lógica de perda dupla do Esquema de Controle de Emergência – ECE da interligação, comandando o desligamento do circuito remanescente, de propriedade da Eletronorte.

Com a abertura da interligação Norte/Sudeste no trecho Miracema – Colinas, atuou o Esquema de Controle de Emergência – ECE dessa interligação, desligando a LT 500 kV Serra da Mesa 2 – Rio das Éguas, separando fisicamente os sistemas Norte e Nordeste do restante do restante do SIN.