Embora o número de acidentes com animais peçonhentos, principalmente com a aranha-marrom, seja maior durante o verão, o animal pode estar presente nas casas o ano inteiro. Por isso, o trabalho de prevenção deve ser feito continuamente.

As espécies mais comuns no Paraná são a Loxosceles intermedia e L. laeta. As principais diferenças entre elas são que a primeira é mais adaptável ao ambiente, é mais generalista e sua infestação é mais rápida. A segunda espécie é mais antiga, mais exigente com fatores ambientais e tem sua reprodução mais lenta. Outra espécie bastante comum é a Loxosceles gaúcho, que ocorre principalmente na região Norte e Noroeste do Estado.

A Loxosceles habita locais escuros, quentes e secos. Pode ser facilmente encontrada em residências, principalmente em armários, atrás de quadros e em objetos que tem pouco manuseio. No ambiente externo, a localização mais freqüente é em meio a telhas, materiais de construção e restos de madeira.

As principais formas de combater a proliferação do animal são manter limpo o domicílio e inspecionar os objetos característicos citados. Também é importante vedar frestas e buracos nas paredes e janelas, não pendurar roupas e toalhas de banho em paredes e manter os armários limpos igualmente.

Qualquer suspeita de picada deve ser imediatamente tratada já que não é dolorosa no momento mas, em pouco tempo, a vítima passa a sentir dores no local como se fossem queimaduras, evoluindo para um inchaço do local atingido. Pouco tempo depois pode se instalar uma necrose (ferida escura) no local. A pessoa picada pode ficar com febre ao longo das primeiras 24 horas e, em questão de um dia, passa a ter um mal estar geral, com vômitos, náuseas e dificuldades na visão.

Primeiros socorros – No caso de acidente com qualquer animal peçonhento deve-se lavar imediatamente o local ferido, com água e sabão. Especialistas recomendam não mexer ou realizar movimentos que possam perfurar, cortar ou fazer qualquer tipo de alteração física na lesão. As dúvidas sobre diagnóstico e tratamento dos acidentes domésticos por animais peçonhentos ou intoxicações podem ser esclarecidas pelo número 0800 41 0148, no Centro de Informações Toxicológicas – CIT.