Nada melhor que curtir momentos inesquecíveis, nas merecidas férias na companhia da família e amigos. Nada pior que ter esses momentos prejudicados por queimaduras causadas pela exposição excessiva ao sol. Para evitar estas surpresas desagradáveis, prevenir é a melhor opção, e nesse caso o uso de protetor solar é a única solução.

Para esclarecer algumas dúvidas frequentes e para começar o verão sem problemas com a pele, o dr. Carlos Augusto Silva Bastos, dermatologista e presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia – regional Paraná, explica como usufruir da estação mais quente e animada do ano.

O alerta vale para problemas causados pelos efeitos da radiação solar aguda, que vão de ardência até queimaduras de primeiro e segundo graus, principalmente quando se trata de uma pele não preparada. Pessoas que não estão habituadas tendem a ter problemas. Já os efeitos crônicos são: envelhecimento da pele, surgimento de manchas, pequenas verrugas e câncer.

O dr. Carlos Bastos explica que é muito importante passar a quantidade certa de protetor para ter o efeito esperado. É recomendado 2g de protetor solar para cada centímetro de pele, ou seja, de 20 a 30 ml para o corpo todo, repetindo a aplicação de duas em duas horas. Lembrando que se deve evitar a exposição ao sol entre 10h e 15h, horário em que os raios ultra-violetas são mais fortes e, portanto, prejudiciais.

Ele explica que quanto mais clara a pele, menor a quantidade de melanina – substância produzida pelo organismo que protege a pele dos efeitos de radiação do sol e que faz com que a pele fique bronzeada. Todos, sem exceção, devem usar no mínimo o fator de proteção solar (FPS) 30, a não ser em casos especiais, como por exemplo, pessoas que já tiveram câncer de pele.

O dermatologista alerta para casos de aparecimento de manchas e até queimaduras – muito frequentes no verão -, causadas por frutas como limão e laranja. Mais comum em crianças, quando tocadas por adultos que manuseiam essas frutas sem depois lavarem as mãos. E se tratando das crianças, os cuidados com o sol devem ser redobrados.

Até seis meses de idade é recomendado evitar o uso do protetor solar, uma vez que o organismo do bebê absorve algumas substâncias que nessa idade podem ser nocivas. A recomendação é que fiquem apenas alguns minutos expostas
ao sol. A partir dos seis meses já pode usar protetor, mas é fundamental seguir as orientações do seu pediatra.

Gestantes também devem ter cuidados especiais no verão: é essencial o uso de protetor solar na gravidez. A mulher nesse período produz mais hormônios e isso pode causar manchas na pele. Então ficam as dicas para o verão deixar boas lembranças: o uso adequado do protetor solar e evitar a exposição ao sol fora dos horários recomendados.