Junho

Dia 2 – O jornalista Tim Lopes desaparece na Vila Cruzeiro, na Penha, zona norte do Rio. Ele estava preparando uma reportagem sobre um baile funk na favela, onde haveria venda de drogas e sexo explícito com menores de idade.

Dia 9 – Presos dois criminosos da quadrilha de Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, que contam como foi o crime. Segundo eles  o jornalista foi capturado e levado para o alto da favela da Grota, vizinha da Vila Cruzeiro. Lá,  foi torturado e executado pelos traficantes.

Dia 12 – A polícia encontra um cemitério clandestino no alto da favela da Grota. De lá, foram retiradas dezenas de partes de ossos. Também foram encontrados partes de uma microcâmera e fragmentos de ossos que seriam do jornalista.

Julho

Dia 5 – Mais de um mês depois da morte, a polícia confirma oficialmente a morte de Tim Lopes. Um exame de DNA mostrou que era do jornalista um pedaço de costela encontrado no cemitério da favela da Grota. Os restos mortais são enterrados no dia 6.

Agosto

Dia 7 – A polícia indicia nove homens pelos crimes de homicídio, ocultação de cadáver e formação de quadrilha. Os líderes são Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, André da Cruz Barbosa, o André Capeta, Maurício de Lima Matias, o Boizinho, e Renato Souza de Paulo, o Ratinho.

Dia 8- Acusado de liderar a morte de Tim Lopes, Maurício de Lima Matias, o Boizinho, é morto durante confronto com policiais civis em uma das saídas da favela de Vigário Geral, na zona norte do Rio.

Dia 13 – O traficante André da Cruz Barbosa, o André Capeta, um dos indiciados pela morte de Tim Lopes, é morto com um tiro na cabeça na favela Vila Cruzeiro. As circunstâncias da morte não foram esclarecidas.

Dia 27 – Renato Souza de Paula, o Ratinho, é preso em uma das favelas do Complexo do Alemão, quando assistia um filme pornográfico com a namorada e uma amiga dela.

Setembro

Dia 19 – Elias Maluco é preso às 8h45 em uma das favelas do Complexo do Alemão. Ele é encontrado na casa de um casal de idosos. Desarmado, ele não reage à prisão.