O Governo do Paraná e a Secretaria da Saúde estabeleceram a obrigatoriedade de um responsável técnico na área de alimentação em centros de educação infantil a partir de 2008. Esta é uma das exigências da resolução nº 0162/05 que a Secretaria da Saúde adotou em 14 de fevereiro de 2005. De acordo com a resolução, deverão adaptar-se a esta norma centros de educação para crianças de 0 a 3 anos, como creches e pré-escolas que trabalham com crianças de 4 a 6 anos.

Para a assistente social e responsável pela Vigilância Sanitária de Estabelecimentos de Educação do Estado, Maria Aparecida Paleari, a exigência de um profissional capacitado para a elaboração e a supervisão de cardápios visa, sobretudo, prevenir a obesidade, atribuída à alimentação incorreta encontrada nas cantinas. ?Este profissional vai cuidar do preparo adequado dos alimentos, da limpeza do ambiente, da manipulação correta da alimentação, do treinamento de outras pessoas na cozinha e também da orientação nutricional, desenvolvendo nas crianças uma cultura saudável de alimentação?, explica Maria Aparecida.

De acordo com a assistente social, esta exigência poderá ser fiscalizada pela Vigilância Sanitária também em escolas de 5.ª a 8.ª séries, em escolas do ensino médio e nível superior. Mas, em princípio, a norma é válida apenas para creches e pré-escolas da rede pública e particular. ?A Vigilância Sanitária precisava começar este trabalho por algum lugar. E o melhor local para iniciarmos a exigência da presença de um responsável técnico pela alimentação são os centros de educação infantil. A proposta é implantar uma mudança cultural alimentar, trocando salgadinhos, balas e doces por alimentos saudáveis, e melhorar a vida das crianças?, comenta a assistente social.