A criação de empregos com carteira assinada em fevereiro bateu recorde para o período e superou os números de 2004, até então os melhores da série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. Os números divulgados hoje (21) mostram que foram gerados 176.632 novos empregos formais no mês passado. Este é o maior resultado já registrado para meses de fevereiro e representa uma expansão de 0,68% em relação a janeiro.

No primeiro bimestre, a criação de postos de trabalho chegou a 263.248, também o melhor desempenho para o período. O último recorde para o bimestre foi em 2004, quando foram criados 239.180 empregos. O ano de 2004 foi o melhor do governo Lula em termos de crescimento: o Produto Interno Bruto (PIB) teve expansão de 4,9%. O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, disse que os números de fevereiro surpreenderam, mas ainda não podem ser considerados uma tendência para o ano.

"Ainda é cedo para dizer que 2006 será melhor que 2004. Continuamos prevendo que 2006 será melhor que 2005, mas um pouco pior que 2004", informou. No ano passado foi criado 1,25 milhão de empregos, enquanto em 2004 foi aberto 1,52 milhão de vagas. Nos últimos 12 meses, os empregos formais criados chegaram a 1 32 milhão, um crescimento de 5,31% em relação ao registrado no período anual encerrado em fevereiro de 2005.

Marinho disse que os números de fevereiro podem estar influenciados pela antecipação da safra de cana-de-açúcar no Centro-Sul do País. Ele disse que, para uma melhor avaliação, é preciso esperar os números deste mês, embora historicamente sempre haja uma queda do emprego em março.

A recuperação dos principais setores da economia explica o bom resultado de fevereiro. No setor de serviço, foram criados 77.966 empregos formais, o melhor desempenho em meses de fevereiro. Já o setor agropecuário abriu 24.360 postos de trabalho, também recorde para o período.

A indústria de transformação empregou 23.558 operários a mais, no segundo melhor desempenho para mês de fevereiro, inferior apenas ao resultado de 2004. "Esperamos um crescimento mais robusto do emprego na indústria de transformação a partir de abril, como reflexo da redução da taxa Selic desde o final do ano passado", disse o ministro.

Um destaque nos números do Caged é o resultado de fevereiro na indústria de calçados. Depois de uma seqüência de três meses de queda consecutivos, foram criados mais de 2 mil empregos no setor.

O comércio ampliou em quase 20 mil o número de empregados em fevereiro, mais que o dobro de vagas ofertadas em 2005. A construção civil também já começa a refletir os resultados da medidas do governo de apoio ao setor e criou 14. 993 empregos formais, também um recorde para o mês. "Esta é uma tendência para o setor. A construção civil deve crescer mais que em 2005", disse Marinho, apostando no efeito das medidas que o governo adotou para estimular o setor.