A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investiga os conflitos no campo e
a reforma agrária vai acompanhar a existência de uma milícia armada, financiada
pelos ruralistas, para intimidar e ameaçar a atuação dos movimentos sociais que
lutam pela terra no estado do Paraná. Os parlamentares vão ouvir os depoimentos
dos suspeitos em duas semanas.

Na terça-feira (5), a Polícia Federal
prendeu, em Curitiba, Waldir Copetti Neves, tenente-coronel da Polícia Militar
do estado, e outras sete pessoas, suspeitas de integrar uma milícia ilegal no
campo para proteger os interesses dos proprietários de terra.

Nesta
quarta-feira, o presidente da CPMI da Terra, o senador Álvaro Dias (PSDB-PR),
confirmou que os parlamentares anteciparam a viagem ao Paraná para ouvir os
suspeitos. "Vamos ouvir as pessoas envolvidas. Além do relato da Polícia
Federal, vamos ouvir também aqueles que foram acusados de estarem agindo à
margem da ordem e da lei, num movimento de proteção às propriedades rurais. Isso
é uma afronta ao estado de direito democrático e merece uma resposta urgente",
relatou.