O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Moraes (PFL-PB), comunicou há pouco que a CPI vai reconvocar pela terceira vez o advogado Enrico Gianelli. A intenção é que ele deponha na próxima terça-feira. Gianelli já faltou a duas convocações, na última quinta-feira e hoje, respaldado por uma liminar concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello.

Efraim disse que, na nova convocação, levando em conta orientação de técnicos do Senado e do próprio STF, será frisado que Gianelli deve comparecer à CPI não como ex-advogado da empresa Gtech, mas sim como a pessoa que teria apresentado Rogério Buratti à empresa. Buratti, que vai depor hoje, é acusado pela Gtech de ter tentado cobrar propina de R$ 6 milhões para intermediar a renovação de contrato da empresa com a Caixa Econômica Federal para processamento de loterias. "O senhor Enrico Gianelli foi operador entre a Caixa Econômica Federal, a Gtech e o senhor Buratti. Daí porque ele deve ter muito o que contar à CPI", afirmou Efraim Moraes.

O presidente da CPI elogiou a decisão do STF de negar a liminar solicitada ontem por Buratti que lhe garantiria o direito de se negar a responder a perguntas que, a seu juízo, pudessem incriminá-lo. A negativa partiu do ministro Carlos Ayres de Brito.