As situações de violência e as redes de exploração sexual de crianças e adolescentes serão investigadas por uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, que se instala daqui a pouco no Congresso Nacional. A expectativa da deputada Maria do Rosário (PT/RS), uma das defensoras da criação da CPI, junto com as senadoras Patrícia Saboya (PPS/CE) e Serys Slhessanek (PT/MT), é de que o trabalho realizado revele identidades de aliciadores e agenciadores, para posterior punição.

De acordo com a deputada, a exploração sexual envolve vários atores, já que é um tipo de crime organizado, que encontra apoio em traficantes de drogas, taxistas, donos de pensões e boates, além de policiais e autoridades corruptas, especialmente em áreas portuárias e de garimpo. A CPI tem o objetivo também de mobilizar agentes da sociedade para a prática da denúncia, uma vez constatado o abuso sexual de menores. O Sistema Nacional de Combate à Exploração Sexual Infanto-juvenil mantém o número 0800 990500 para notificação desse tipo de crime.