A CPI da Copel, que se reuniu nesta quinta-feira (12), na Assembléia Legislativa, pode sugerir em seu relatório a anulação do contrato assinado pela Sercomtel em maio de 1998, que caucionou (deu garantia) 2,4 mil ações da empresa, aproximadamente R$ 12 milhões, junto ao Banestado Corretora, sem condições estatutárias para isso. Como o valor não foi pago, o banco recebeu o equivalente a 7% das ações da empresa.

Em documento encaminhado à CPI, o ex-presidente da Sercomtel, Rubens Pavan, declarou que o contrato foi assinado apenas pelo diretor-financeiro da empresa, Ismael Mologni, o que não garante a sua validade. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)