Multas, perda de pontos e até rebaixamento. Essas são as sérias punições que o Corinthians corre o risco de sofrer da Fifa por insistir em manter Nilmar no clube sem pagar o que deve ao Lyon, da França.

"A situação é simples: o Corinthians deve 8 milhões de euros (R$ 22,7 milhões) ao Lyon e será punido pela Fifa se não pagar. O clube francês já abriu mão de ter o jogador de volta e agora quer o dinheiro", explica o advogado Luiz Felipe Santoro, especializado em direito esportivo e que em janeiro assumirá a presidência do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo.

O fato de o Corinthians ter entrado com uma ação na Justiça do Trabalho, onde conseguiu inicialmente prorrogar o contrato do jogador até o fim de 2007, só piora a situação, na visão do advogado. "A Fifa é muito rígida em relação a dívidas entre clubes. E o Corinthians está devendo e quer usar o jogador. A situação é clara para a punição", diz Luiz Felipe Santoro.

Num caso semelhante, embora de valor muito inferior, o Guarani acabou de perder três pontos e ter o seu rebaixamento confirmado para a Série C do Brasileiro, por causa de uma dívida com o clube turco Samsuspor, de US$ 9 mil (cerca de R$ 19,4 mil), relativa a gastos não pagos com o jogador Gilson.

"A dívida foi feita em 2003. E provou o quanto a Fifa é severa. Sei bem do caso porque fui chamado na última hora para tentar ajudar o Guarani. Não houve jeito. Por isso é bom a diretoria do Corinthians se preparar. Se não pagar, a punição será severa", avisa Luiz Felipe Santoro.

A MSI pagou ao Lyon, em março de 2005, R$ 5,6 milhões por 20% dos direitos federativos de Nilmar. Os outros 80% deveriam ter sido pagos em setembro. "O Lyon cansou de esperar e entrou com a cobrança na Fifa. Estamos tranqüilos, vamos receber esse dinheiro", diz o empresário Marcelo Djian, que representa o clube francês no Brasil.

Em Montevidéu, o advogado de Nilmar, Breno Tannuri, avisa que não vê motivos para o jogador se apresentar em janeiro no Parque São Jorge. "O Corinthians está para completar três meses de atraso no pagamento dos direitos de imagem do Nilmar. E deve mais de R$ 3 milhões das luvas. Somados, tudo chega a R$ 3,7 milhões. Estamos estudando entrar com uma ação e terminar o vínculo com esse clube", revela.