Os Estados Unidos e a Coréia do Norte concordaram em retomar as negociações, entre seis países, sobre o programa de armas nucleares do país comunista, informou um alto enviado americano. As conversações devem ser reiniciadas o quanto antes.

O secretário-assistente de Estado Christopher Hill encontrou-se com autoridades japonesas em Tóquio, depois de uma reunião com representantes norte-coreanos, realizada na Alemanha. Ele se disse otimista quanto à disposição dos norte-coreanos para negociar.

"Houve essa visão, de nós dois, de que deveríamos tentar ter as conversas de seis partes o quanto antes", disse Hill a jornalistas, em Tóquio. "Certamente concordamos na necessidade de seguir adiante com as conversações de seis partes, e na necessidade de fazer progressos".

Hill fez esses comentários durante um giro regional, durante o qual deveria informar a Coréia do Sul, o Japão e a China dos resultados da reunião an Alemanha, entre ele e o principal negociador nuclear norte-coreano, Kim Kye Gwan.

Depois da reunião em Berlim, a Coréia do Norte anunciou que havia um "acordo", não-especificado, e Hill disse que haviam sido lançadas as bases para o progresso, quando os seis países voltarem a se reunir para negociar.

O objetivo das negociações é convencer o país comunista a abrir mão de suas ambições nucleares em troca de ajuda, e envolvem a Coréia do Norte, EUA, Japão, Rússia, Coréia do Sul e China. As conversações assumiram um novo tom de urgência quando a coréia do Norte testou sua primeira arma nuclear, em outubro de 2006.