Depois de quase sete meses de negociações, a Copel chegou a um acordo com a Cien – Companhia de Interconexão Energética, reformulando os termos de dois contratos para a compra de energia elétrica oriunda da Argentina assinados no final de 1999.

Os contratos, cada um objetivando a aquisição de 400 megawatts de energia com preços referenciados ao dólar, cláusula take or pay (pague mesmo que não use) e vigência de 20 anos, representariam um desembolso anual à Copel da ordem de R$ 750 milhões e tiveram – a exemplo de outros – seus pagamentos suspensos a partir da posse da nova diretoria, em janeiro.

Em termos gerais, a renegociação com a Cien reduziu à metade os volumes de energia a serem adquiridos (de 800 para 400 megawatts) e os desembolsos relacionados, abreviou abreviou de 20 para 7 anos o tempo de vigência do compromisso (até 31 de dezembro de 2009) e eliminou a referenciação das tarifas ao dólar, adotando critérios de correção reconhecíveis pela Aneel – fato que irá permitir a homologação dos contratos pelo poder concedente. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)