Brasília – As tarifas de luz das distribuidoras Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL); Cemig Distribuição S/A; Empresa Energética do Mato Grosso do Sul (Enersul); e Centrais Elétricas Matogrossenses S/A (Cemat) estão mais caras a partir deste domingo (8).

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o aumento em São Paulo será de 3,48% para as residências (baixa tensão), atingindo 3,256 milhões de unidades consumidoras em 234 municípios do estado, e de 4,02% para as indústrias (alta tensão).

Para os consumidores atendidos pela Cemig, o aumento na tarifa de energia será de 6,5% para os consumidores de baixa tensão (residências) e de 2,89% para as indústrias. A empresa atende 6,259 milhões de unidades consumidoras em 775 municípios mineiros.

No caso da Enersul, o reajuste será de 3,46% para as residências e de 2,58% para as indústrias. Com isso, serão atingidos 699.475 unidades consumidoras em 73 municípios do Mato Grosso do Sul.

As residências atendidas pela Cemat terão reajuste de 7,81%, enquanto as indústrias, de 13,30%. A Centrais Elétricas Matogrossenses é responsável pela distribuição de energia em 830.908 unidades consumidoras em 126 municípios do estado.

Conforme a Aneel, as empresas energéticas encaminharam pedidos de reajuste com índices maiores do que os autorizados. A Enersul solicitou 21,72% de reajuste e a Cemig pediu 20,88%. As empresa CPFL e Cemat pediram 7,74% e 15,30%, respectivamente.

Em nota, a agência informa que considera a variação de custos que as empresas tiveram no decorrer do período de referência para os índices de reajuste.

"A fórmula de cálculo inclui custos gerenciáveis, sobre os quais incide o Índice Geral de Preços do Mercado e custos não gerenciáveis, como energia comprada de geradoras, taxa de fiscalização, encargos de transmissão e encargos de geração, entre eles a Conta de Consumo Combustível (CCC), Reserva Global de Reversão (RGR), entre outros", diz a nota.