O Conselho de Ética da Câmara já aprovou, em reunião desta quinta-feira (21), pareceres contrários à cassação de cinco dos 67 parlamentares acusados de envolvimento na máfia das sanguessugas e favoráveis à cassação de três que não serão julgados. Por inépcia nas representações, o Conselho pediu o arquivamento dos casos de Laura Carneiro (PFL-RJ), Wellington Fagundes (PL-MT) e Wellington Roberto (PL-P)B) e, por falta de provas, a absolvição de João Correia e Pedro Henry.

Nos outros três casos, o Conselho aprovou parecer favorável à cassação dos mandatos dos deputados Lino Rossi (PP-MT), Cabo Júlio (PMDB-MG) e Nilton Capixaba (PTB-RO), mas, como esses parlamentares não foram reeleitos, esses processos de cassação não serão submetidos à votação do plenário.

"É a lei. O plenário não analisa cassação de ex-deputado, só de deputado", justificou o presidente do Conselho, Ricardo Izar (PTB-SP). O Conselho de Ética analisará hoje, ao todo, dez casos de deputados acusados de envolvimento com a máfia das sanguessugas. O Conselho discute agora o caso de Érico Ribeiro (PP-RS). Em seguida, será examinado o processo contra Marcondes Gadelha (PSB-PB).