O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara deve abrir hoje processos de cassação dos mandatos dos deputados Roberto Brant (PFL-MG), José Borba (PMDB-PR), Pedro Henry (PP-MT), José Janene (PP-PR), Wanderval Santos (PL-SP), Pedro Corrêa (PP-PE) e Vadão Gomes (PP-SP). Todos fazem parte da lista de 18 parlamentares encaminhada à Presidência da Câmara pelas comissões mistas de inquérito dos Correios e da Compra de Votos apontando indícios de envolvimento desses políticos com o suposto esquema de compra de votos da base aliada.

Ontem (14) à noite, dos sete parlamentares citados acima, apenas Roberto Brant ainda não havia entrado com mandado de segurança, com pedido de liminar, no Supremo Tribunal Federal (STF). Os deputados alegam cerceamento no direito de ampla defesa. Caso a liminar seja concedida hoje (15), a instalação dos processos de cassação pode ser suspensa até o julgamento do mérito do mandado. Medida judicial semelhante foi impetrada ontem (14) de manhã no STF por seis deputados do PT incluídos na lista das duas CPMIs. O recurso foi julgado ontem mesmo pelo presidente do STF, Nelson Jobim, que concedeu liminar aos seis deputados petistas.