O ministro da Defesa, José Viegas Filho, disse hoje, em audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, que o projeto F-X BR, destinado à aquisição de doze caças supersônicos de interceptação e defesa do espaço aéreo nacional, especialmente na região amazônica, tem um orçamento inicial de US$ 760 milhões. Os recursos terão impacto sobre o orçamento a partir de 2005, de acordo com as negociações que forem estabelecidas com os possíveis fornecedores.

Em debate com os senadores que integram a comissão, José Viegas Filho garantiu que o governo dará toda a cobertura de modo que haja uma significativa participação da indústria nacional, o que resultará na garantia de empregos no país.

Viegas Filho disse que a compra pretendida pelo Brasil não terá nenhum impacto nas relações com os países vizinhos, em especial a Argentina, porque esses países ?estão cientes de que o Brasil está fazendo um projeto de reposição de sua frota de segurança e defesa, sem nenhuma preocupação bélica?.

O ministro, em resposta ao presidente da comissão, senador Eduardo Suplicy (PT-SP), garantiu que a possibilidade de transferência de tecnologia para o Brasil será levada em consideração na escolha do consórcio que irá fornecer as aeronaves para o país.

?O governo quer aproveitar ao máximo a capacidade industrial e tecnológica do país, atento para a possibilidade de geração de emprego?, afirmou Viegas, informando que, no entanto, não há uma meta para o número de empregos criados na operação.

O ministro disse que a capacidade de o país produzir caças supersônicos em 30 anos vai depender do desenvolvimento tecnológico que pode ser impulsionado pelo projeto F-X.