O Fórum Social Mundial 2003, realizado em Porto Alegre de 23 a 27 de janeiro, reuniu cerca de 100 mil participantes entre delegados, observadores, profissionais de imprensa e ativistas de todo o mundo. A organização registrou um total de 20.763 delegados, representando 5.717 organizações de 156 países.

Credenciaram-se para a cobertura do evento 4.094 jornalistas de 1.423 veículos, de 51 países. Deste total, 3.262 vieram representando veículos de imprensa, rádio ou tevê e 832 como jornalistas free-lancers.

Dos 51 países, o Brasil foi quem enviou o maior número de representantes: 2.131 jornalistas brasileiros que representaram 808 veículos. A imprensa italiana foi a segunda mais numerosa, com 153 jornalistas representando 83 veículos.

A seguir vêm Argentina (141 jornalistas de 73 veículos) e França (153 jornalistas de 74 veículos). Destaque para a delegação americana que enviou 97 jornalistas, mesmo número da delegação de jornalistas uruguaias, mas com maior número de veículos: 53 contra 42 do Uruguai.

Foram realizadas 1.286 oficinas no Fórum Social Mundial 2003.

O FSM 2003 contou com o trabalho de cerca de 650 voluntários.

O Acampamento da Juventude abrigou cerca de 25 mil pessoas, das quais mais de 19 mil foram credenciadas como representantes de cerca de 700 coletivos.

A organização do Fórum Social 2003 teve um custo direto total de US$ 3,485 milhões, fora os custos indiretos com pessoal e hospedagem de conferencistas assumidos pela Prefeitura de Porto Alegre.

O volume de dinheiro gerado pelo Fórum é, no entanto, muito maior. Os organizadores calculam que os 100 mil participantes movimentaram, no mínimo, US$ 20 milhões, entre despesas de transporte, hospedagem e alimentação. Pelos cálculos de alguns órgãos de imprensa, este montante poderia chegar a US$ 50 milhões.