Começa nesta quinta-feira (1º) a segunda etapa da campanha vacinação contra febre aftosa no Paraná. O período de vacinação acontecerá até 20 de novembro e, neste período, a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento tem como meta vacinar 100% do rebanho paranaense.

De acordo com o secretário Valter Bianchini, na primeira fase da campanha,em maio passado, a vacinação atingiu 98,62% do rebanho, estimado em 10 milhões de cabeças. ?Precisamos vencer mais essa etapa em busca de um sistema capaz de abrir os mercados internacionais de carnes para o Paraná?, disse o secretário.

O bom resultado da primeira fase da campanha, segundo Bianchini, está relacionado à participação da iniciativa privada, como o Fundo de Desenvolvimento da Pecuária (Fundepec), Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) e sindicatos rurais patronais e de trabalhadores. ?Os representantes da iniciativa privada vêem nos bons resultados da campanha a perspectiva de abertura de novos mercados, que beneficia a todos?, afirmou.

Serão intensificas as ações nos núcleos regionais de Guarapuava, Irati, Laranjeiras do Sul, Ivaiporã e União da Vitória, regiões que apresentaram índice de vacinação acima de 95%, mas inferior à média estadual.

De acordo com Marco Antonio Teixeira Pinto, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Animal (DAS), da Secretaria da Agricultura, foram feitas reuniões nessas regiões para envolver as secretarias municipais de Agricultura, os conselhos municipais de agropecuária, os sindicatos rurais patronais e de trabalhadores e das organizações da sociedade civil, para que essas regiões também possam atingir o índice ideal de 100% de vacinação.

Melhorias

Para o Departamento de Fiscalização e Defesa da Sanidade Agropecuária (Defis) é imprescindível avançar nos índices de vacinação, atingidos na campanha passada. ?Para isso, foram feitas reuniões de mobilização nas regiões onde a média estadual não foi alcançada. Pretendemos repetir o trabalho feito na fronteira com o Paraguai, na campanha passada, onde o índice de vacinação alcançado foi de 99,67%, o melhor até agora?, disse Teixeira Pinto, referindo-se ao trabalho na região de fronteira, que teve o apoio da Itaipu Binacional, e que resultou na instalação de uma ?cortina de proteção? para evitar a entrada da doença no Estado.

O chefe da DAS avisa que o produtor terá 10 dias para comprovar a vacinação depois do fim do período de campanha, que será até o dia 30 de novembro. O produtor que não comprovar a vacinação estará sujeito à multa no valor aproximado de R$ 50,00 por animal.