O lixo recolhido nos 33 municípios com maior registro de casos de dengue no Paraná será destinado a valas impermeabilizadas em aterros sanitários. Apenas sete desses municípios não têm esse tipo de tratamento final para os resíduos e deverão enviar o material para as cidades mais próximas que tenham condições de dar o destino adequado ao lixo.

A determinação é do Instituto Ambiental do Paraná, que está orientando as coordenações regionais ligadas ao meio ambiente, dentro da operação ?Guerra à Dengue: entre nesta luta?, coordenada pelo chefe da Casa Militar e coordenador estadual da Defesa Civil, tenente-coronel Anselmo José de Oliveira. A operação concentrada, em que participa o vice-governador Orlando Pessutti, está sendo feita em 33 municípios das regiões Oeste e Norte do Paraná, para eliminar focos do mosquito aedes aegipty, transmissor da doença.

O reforço na orientação sobre a destinação final do lixo é importante, porque mesmo os municípios que possuem aterros sanitários não estavam enterrando os resíduos imediatamente. ?O material não pode ficar exposto, pois coloca em risco a saúde das pessoas que trabalham no local?, disse a coordenadora de Resíduos Sólidos do Instituto Ambiental do Paraná, Adriana de Fátima Ferreira.

Cidades com lixões abertos não poderão, a partir de agora, receber resíduos das coletas devido à longa vida do ovo do mosquito da dengue, que sobrevive por 450 dias no meio ambiente. Neste prazo, em condições favoráveis, como alta temperatura e água limpa (como água da chuva), ele pode eclodir. ?Não podemos correr este risco, porque um grande número de pessoas vive de catar objetos nos lixões e elas poderiam ser contaminadas?, explica Adriana.

Reuniões

Para demarcar estratégias de ação, o Governo do Estado iniciou nesta semana uma série de reuniões nas quatro regiões críticas, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu. Além do vice-governador e do coordenador da operação, participam o secretário da Saúde, Cláudio Xavier, e representantes da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e das regionais de Educação, Saúde e Meio Ambiente. ?A ação está sendo muito bem aceita por todos os municípios?, afirmou o tenente-coronel Anselmo José de Oliveira.

Entre as medidas definidas na reunião ocorrida quarta-feira (18), em Londrina, ficou estabelecida que imprensa, igrejas, clubes, associações de moradores e escolas vão ajudar na divulgação de informações sobre o combate à dengue, com as datas das ações que acontecerão e a organização das equipes que atuarão nos domicílios e na coleta dos resíduos sólidos.

?A partir da operação concentrada, todas as rádios abriram espaço para divulgar ações básicas?, completou o tenente-coronel. Anselmo adiantou que na próxima semana serão feitas avaliações com secretários municipais da Saúde. ?A ação vai continuar até que as temperaturas abaixem?, disse.

Nesta quinta-feira (19) pela manhã, a reunião foi realizada em Maringá e envolveu os municípios de Cianorte, Ubiratã, Santa Izabel do Ivaí, Doutor Camargo, Itaguajé, Paiçandu, São Jorge do Ivaí, Sarandi, Umuarama, Altônia, Terra Rica e Campo Mourão.

À tarde, as discussões se concentrarão em Cascavel, com a participação de Marechal Cândido Rondon, Mercedes, Nova Santa Rosa, Palotina, Toledo, Pato Branco e Francisco Beltrão. Nesta sexta-feira (20), o encontro será em Foz do Iguaçu, com a participação de representantes dos municípios de Itaipulândia e Santa Helena.