Três dos quatro clubes punidos pela Justiça Desportiva italiana por terem se envolvido em um esquema de manipulação de resultados nas últimas temporadas já declararam que entrarão com novo recurso contra a decisão, tomada em segunda instância, ontem. Dirigentes da Juventus de Turim, Fiorentina e Lazio pensam até em entrar na Justiça Comum caso as novas punições não sejam revistas e diminuídas

O caso da equipe de Turim é o mais grave. Sem ter conseguido se livrar do rebaixamento à Série B, apesar de ter diminuído o número de pontos negativos (de 30 para 17), o diretor Giovanni Cobolli Gigli afirmou que o clube vai fazer de tudo para reverter a situação. "Nós vamos esgotar todas as instâncias esportivas e, se não estivermos satisfeitos nesse âmbito, vamos para uma Corte Regional. Estaríamos satisfeitos se permanecêssemos na Série A, com pontos a menos, nos tirassem apenas um dos dois títulos nacionais e continuássemos na Liga dos Campeões", disse Gigli

Livres da queda para a Segunda Divisão, mas com pontos a menos no início da próxima temporada, Fiorentina e Lazio não querem saber de nenhuma punição por causa do escândalo. "Nós não fizemos nada e vamos fazer de tudo para limpar o nosso nome", disse o presidente do time de Florença, Diego Della Valle. "Nós vamos para todos as instâncias possíveis para remover qualquer sombra de culpa e recuperar o que nos tiraram", completou o dirigente

O único clube que não vai mais recorrer é o Milan, que recuperou sua vaga na Liga dos Campeões – terá que disputar a fase preliminar -, e começará a temporada com oito pontos negativos, ao invés dos 15 impostos pela decisão em primeira instância