Ciro Gomes critica o PPS e garante que não deixa ministério

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, criticou hoje, duramente, a direção de seu partido, o PPS. Ao sair de almoço no Palácio do Itamaraty, o ministro disse que “não dá mais para esconder” que está insatisfeito com a administração do partido, presidido pelo deputado Roberto Freire (PE). Sem referir-se explicitamente ao deputado, o ministro desabafou: “Não tenho vocação para ser mandado por coronel, nem estou chamando ninguém de coronel. Acho que a administração do partido está atrapalhando, mas não estou personalizando o Roberto, e nem ninguém”.

O ministro vem divergindo de Roberto Freire depois que o deputado criticou o governo publicamente esta semana. “Eu quero lembrar que o partido está ameaçado de ser extinto, porque hoje, como está, nós não conseguiríamos ultrapassar a cláusula de barreira de 2006, e acho que a direção não está agindo de forma compatível com essa grave ameaça”, ressaltou Ciro, ao referir-se ao percentual mínimo de votação para que os partidos tenham representação no Congresso a partir de 2006.

Ciro Gomes disse que vai amanhã para Alagoas ao lado de Roberto Freire par a filiação de um deputado do PFL ao PPS. Segundo o ministro, essa é uma atitude “correta”, já que não pode impedir que um novo membro se filie ao seu partido, independente de sua origem. “Ninguém é mal ou bom porque vem daqui ou de acolá”, afirmou. Ciro também deixou claro que, mesmo diante dos problemas no PPS, não pretende deixar o partido.

O ministro também aproveitou para desmentir os rumores de que esteja pensando em sair do Ministério da Integração Nacional após a acomodação do PMDB no primeiro escalão do governo. “Isso algum Espírito Santo de orelha inventou, não sei a serviço de qual tese”, enfatizou. Ele disse ser “correta e fundamental” a estratégia do PMDB de ocupar cargos de importância no governo. “Quem pode liderar essa mudança é o presidente Lula. Enquanto eu estiver convencido de que estou ajudando o país, eu sigo ministro”, resumiu.

Voltar ao topo