A chuva desta manhã no norte do Paraná impediu que agricultores da região fizessem mais uma manifestação na PR-445, que liga Bela Vista do Paraíso a Londrina. Na segunda-feira eles haviam fechado a PR-323 e queimado uma colheitadeira. O objetivo dos agricultores é chamar a atenção da população para a situação que estão vivendo com a quebra de três safras consecutivas e acúmulo de dívidas.

Mas os produtores não desistiram. Amanhã (30) eles pretendem estar na rodovia para bloqueios alternados. "Mesmo que seja debaixo de chuva", prometeu o agricultor Lauro Casagrande, um dos organizadores da manifestação. Há 26 anos administrando uma propriedade de 60 alqueires, ele está às voltas com uma dívida de mais de R$ 130 mil. "Não dá mais para agüentar", lamentou. "Não consigo pagar a dívida."

Reunião – A Federação da Agricultura do Paraná (Faep) esperava que houvesse uma reunião em Brasília ontem (28) para discutir a questão da dívida dos agricultores. Mas a mudança de ministro da Fazenda não permitiu que a discussão fosse mais profunda. "Esperamos uma solução global para a semana que vem", disse o assessor da presidência da Faep, Carlos Augusto Albuquerque.

As propostas emergenciais para a crise da agricultura foi encaminhada ao governo federal pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Organização das Cooperativas do Brasil (OCB). Pede a suspensão por 120 dias de todos os vencimentos dos financiamentos e dívidas rurais, a fim de que possam ser implementadas algumas medidas como securitização de dívidas e garantia do cumprimento da política de preço mínimo, com a alocação de R$ 2,8 bilhões no orçamento de operações oficiais de crédito para a safra 2005/2006.