Uma das chuvas de meteoros mais abundantes do ano acontece na madrugada de domingo (12) para segunda-feira (13). Trata-se da Perseidas, que deve estar visível da região de Curitiba. Serão de 60 a 100 meteoros por hora cruzando o céu, mas quem estiver pela capital paraense só conseguirá enxergá-los caso escolha bem o local de observação.

De acordo com o astrônomo Anísio Lasievicz, diretor do Parque da Ciência, a previsão é de que o fenômeno comece a ficar visível por volta das 3h da madrugada e atinja o ápice às 5h de segunda. “Esse fenômeno é visto melhor do hemisfério Norte. Aqui em Curitiba, quem quiser ver terá que olhar bem na linha do horizonte”, explica. Para isso, o especialista conta que é preciso subir em locais altos que não tenham a vista bloqueada por prédios, por exemplo. “Justamente por isso é um pouco mais complicado de assistir a chuva aqui na cidade, fora que a iluminação artificial também atrapalha”, alerta.

O mais indicado é que os apreciadores dos astros se desloquem até outras regiões próximas de Curitiba, como São Luiz do Purunã ou a Serra do Mar, que além de terem menos poluição luminosa e visual, têm pontos altos para observação.

Um fator que deve auxiliar a visualização do céu no fim de semana é a lua. O astro estará em fase de lua nova, o que significa que sua luz não concorre com a luz das estrelas – e tampouco de meteoros. “Mas é claro que não tem como enxergar nada caso o céu esteja encoberto”, lembra o astrônomo. De acordo com o Instituto Simepar, a previsão é que a capital tenha poucas nuvens no domingo, mas a segunda deve ser mais nublada.

Para onde olhar?

Não basta olhar para a linha do horizonte para enxergar os pontos luminosos. É preciso olhar para o lado Norte do céu, que pode ser encontrado conforme explicação de Lasievicz: “Basta aguardar o aparecimento da constelação das três marias, que é facilmente identificada e fica mais visível por volta das 3h da manhã. Ao olhar de frente para a constelação, o lado Norte fica a esquerda”.

Também é importante lembrar que não são necessários telescópios ou outros instrumentos para ver os meteoros.

Perseidas

As Perseidas são visíveis da Terra há pelo menos 2 mil anos – o primeiro registro da chuva de meteoros foi feito no ano 36 d.C., na China, segundo o astrônomo Bill Cooke, da Nasa,a agência especial americana.

O nome do fenômeno faz referência à constelação de Perseu, já que a chuva de meteoritos é visível próxima a esse conjunto de astros. Conforme o diretor do Parque da Ciência, a parte observável da chuva de meteoros é uma nuvem de detritos deixados por um cometa. A repetição anual, enquanto isso, se deve à órbita cíclica do cometa.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!