Brasília – As certificações do Sistema Brasileiro de TV Digital estão prontas e só falta o referendo do órgão que dá as diretrizes para o uso do espectro de freqüência para radiodifusores na América Latina, a Comissão Interamericana de Comunicações (Citel). A comissão, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA), tem como objetivo trabalhar pelo desenvolvimento das telecomunicações nas Américas e deverá se reunir ainda neste semestre.

?Todas as nomenclaturas foram escritas e estão sendo traduzidas para o inglês e o espanhol até que possa referendá-las na próxima reunião do Citel?, informou André Barbosa, assessor especial da Casa Civil, integrante do Comitê de Desenvolvimento da TV Digital e representante da Casa Civil no Fórum de TV Digital.

Esse é um dos passos que faltavam para marcar a data da primeira transmissão de TV pelo sistema digital. Em sua primeira reunião do ano, na quarta-feira (17), o Comitê e o Fórum definiram que a TV digital estará no ar comercialmente, com todas as emissoras, no dia 3 de dezembro. Por um ano, ela funcionará só na cidade de São Paulo, num canal de testes que ainda será definido.

Na reunião, o Comitê recebeu do Fórum as especificações do sistema brasileiro, que com a adoção do padrão japonês ganhou o nome de fantasia ISDTV (sigla para International System for Digital TV), conforme explicou Barbosa. Criado por decreto em junho para assessorar tecnicamente o Comitê, órgão interministerial onde são tomadas as decisões sobre o sistema de TV digital no país, o Fórum apontou como sugestão a adoção do sistema de compressão de vídeo H264 e do middleware como sistema gerenciador das linguagens do sistema.

A próxima reunião do Comitê, ainda sem data marcada, definirá também a adoção do sistema de áudio AAC, semelhante ao que é usado no Ipod, aparelho portátil que permite armazenamento de áudio, vídeo e imagens. ?A decisão sobre o sistema de áudio ainda está para ser tomada, mas é apenas técnica?, informou o assessor.

?Por serem bastante modernas, essas especificações vão permitir que nosso sistema seja o sistema mais moderno que o mundo apresenta?, acrescentou o acessor, que detalhou cada uma das especificações já discutidas. O sistema H264, conforme explicou, vai permitir a transmissão de mais de um programa simultaneamente. O sistema de compressão é usado para reunir dados que estão em mídias diferentes e fazê-los legíveis por um meio só. ?O H264 é um sistema usado no mundo inteiro para celulares e satélites, mas para televisão aberta é a primeira vez?, afirmou Barbosa.

Já o middleware, que recebe a transmissão e faz a decodificação, é um sistema que permite o que se chama de interoperabilidade: ?Ou seja, você fala com qualquer sistema. Se estiver recebendo um programa do sistema norte-americano ? ou europeu, ou mesmo japonês puro ?, o nosso middleware lê, decodifica o nosso sistema e põe no ar?.