O candidato da oposição à presidência do Senado, senador José Agripino (RN), anunciou hoje, em discurso no plenário, que entre seus compromissos de candidato está o de disciplinar a tramitação de medidas provisórias (MPs) no Congresso. Ele anunciou que apresentará a propostas de transformação de medidas provisórias polêmicas em projetos de lei, mas fez questão de enfatizar que não será o "presidente do confronto" com o Executivo e colocará em votação os vetos presidenciais que há mais de um ano não são examinados pelo Legislativo.

Ao afirmar que não será o presidente do confronto, Agripino disse que será o "contraponto de equilíbrio", para impedir que o governo continue "usurpando prerrogativas do Congresso", como a de legislar, ocupando o Congresso com um número excessivo de MPs. "Minha candidatura existe para corrigir defeitos que continuarão existindo se nada for feito", afirmou o pefelista.

Agripino afirmou ainda que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva poderá continuar contando com o seu apoio e o da oposição para todas as medidas que realmente atendam ao interesse público.