A Confederação Nacional dos Transportes (CNT) já está treinando, em parceria com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), 25 mil caminhoneiros para serem agentes multiplicadores na prevenção da dengue. Dessa forma, informações importantes de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, chegarão aos lugares mais remotos do país.

Além de participar do Comitê Nacional de Mobilização Social no Combate à Dengue, a CNT, por meio do Sest/Senat (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Ensino do Transporte), disponibilizará toda a sua infra-estrutura para a distribuição de material de folhetos e cartazes sobre o controle da doença. “Estaremos ainda mobilizando empresas da área de transporte para que também se transformem em núcleos de difusão da campanha”, informou Ilmara Chaves, representante da CNT no comitê.

O comitê nacional foi instalado em 1º de outubro com a função principal de discutir e articular ações que envolvam todos os segmentos sociais no combate à dengue. A coordenação é exercida pela Funasa, que promoverá reuniões para avaliar a implementação das ações previstas para o Dia D de combate a dengue, em 23 de novembro, e outras iniciativas que possam ser realizadas durante os meses que antecedem o verão para evitar a ocorrência de dengue. No Dia D deverão ser identificados, eliminados ou tratados objetos que possam se transformar em criadouros do mosquito transmissor da dengue. Cerca de 90% dos focos do mosquito da dengue estão nos domicílios.

A criação do comitê está prevista no Programa Nacional de Controle da Dengue, PNCD, lançado em 24 de julho. O programa conta com recursos de cerca de R$ 1 bilhão. As metas são reduzir a menos de 1% a infestação predial pelo Aedes aegypti em todos os municípios brasileiros; reduzir em 50% o número de casos em 2003, em relação a 2002; e a menos de 1% os óbitos por dengue hemorrágica.

A divulgação dessas informações é de interesse da comunidade, o que reforça a importância das rádios e jornais no trabalho de conscientização de toda a população.