Rio – A Caixa Econômica Federal deve bater em 2006 o recorde de empréstimos para o crédito imobiliário. Segundo a assessoria do banco, o valor atinge um patamar histórico desde a criação do Banco Nacional de Habitação (BNH). De acordo com a presidente da Caixa, Maria Fernanda Coelho, até maio, já tinham sido liberados R$ 5,3 bilhões, o correspondente a todo o valor de 2002. A previsão é que até o final deste ano, a Caixa utilize R$ 10,3 bilhões para todas as operações de crédito habitacional. No ano passado, foram R$ 9 bilhões.

"A Caixa lançou novos produtos, reduziu taxas de juros, aumentou prazos, aperfeiçoou sistemas de risco e simplificou processos de contratações. A realização, nas principais cidades do país, de feirões da casa própria, aproximando vendedores de imóveis e compradores, também tem sido muito importante", justificou Maria Fernanda Coelho.

Cerca de 85% dos empréstimos imobiliários concedidos pela caixa com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) neste ano teriam sido para famílias com renda de até cinco salários mínimos – a faixa salarial correpondente a maior parte do déficit habitacional . No ano passado, esse número correspondia a 77% e em 2002, a 51%.

"A nossa prioridade é fornecer recursos para famílias com renda de até cinco salários mínimos. É nessa faixa que está concentrado quase 92% do déficit habitacional do Brasil, um número que totaliza mais de sete milhões de moradias", disse.