Por cinco votos a um, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cadê) reprovou a compra da Garoto pela Nestlé. O relator do processo, conselheiro Thompson Andrade, argumentou que a união das duas empresas causaria concentração de mercado no setor de chocolate.

Já o presidente do Conselho, João Grandino Rodas, votou pela aprovação com restrições. Segundo ele, não ficou comprovado que a fusão provocaria prejuízos ao consumidor e risco de eliminação da concorrência.

A aquisição da companhia capixaba pela Nestlé foi realizada em fevereiro de 2002. A empresa suiça teve de pagar aproximadamente US$ 250 milhões.