O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, ressaltou nesta sexta-feira (13), durante o Café da Manhã Nacional de Oração Católica, sua oposição ao relaxamento das restrições para o uso de verbas federais em pesquisas científicas com células-tronco extraídas de embriões. Uma medida nesse sentido foi aprovada pelo Senado dos EUA na quarta-feira por 63 votos a 34. O resultado, porém, ficou abaixo no mínimo de 67 votos que tornaria a medida imune a um veto presidencial. Espera-se que a Câmara dos Representantes aprove uma medida semelhante nas próximas semanas.

"Hoje há uma tentação de manipular a vida de maneiras que não respeitam a humanidade da pessoa", disse Bush. "Quando isso ocorre, os mais vulneráveis de nós podem se ver avaliados por sua utilidade para os outros, em vez de por seu valor inerente". Segundo o presidente, "devemos continuar a trabalhar por uma cultura de vida, onde o forte protege o fraco e onde reconhecemos, em cada vida humana, a imagem de nosso criador".

O discurso presidencial incluiu, ainda, um pedido para que o Congresso aprove uma reforma das leis de imigração, uma oração pelas tropas em missão no exterior e um elogio às escolas católicas dos Estados Unidos. O café da manhã de oração, realizado em um hotel de Washington, atraiu lideranças religiosas, membros do Congresso, o presidente da Suprema Corte, John Roberts, e outras autoridades. Bush, metodista, destacou que o café da manhã deste ano ocorre após a quaresma. "Vocês podem comer bacon com a consciência tranqüila", brincou.